segunda-feira, outubro 31, 2005

Jornada de Neuropsicologia: avaliação neuropsicológica e qualidade de vida

O Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento (LND) do Departamento de Psicologia da UFMG, juntamente com a FUNDEP e com o apoio da Livraria do Psicólogo, tem o prazer de convidar os profissionais e estudantes das áreas de saúde e educação para participarem da:

JORNADA DE NEUROPSICOLOGIA:
avaliação neuropsicológica e qualidade de vida



A Jornada será coordenada pelo Prof. Dr. Vitor Geraldi Haase e acontecerá nos dias 01 e 02 de dezembro (quinta-feira e sexta-feira), das 07:30 às 18:30, no Auditório Profª. Sônia Viegas, sala L1005, FAFICH - Campus UFMG: Av. Antônio Carlos, 6627 – Pampulha


Objetivos:
Os objetivos da Jornada de Neuropsicologia, promovido pelo LND são múltiplos. Entre eles, a divulgação regular dos resultados das atividades de pesquisa desenvolvidas pela equipe do Laboratório. Adicionalmente, a Jornada tem objetivos didáticos, servindo de oportunidade para que estudantes e profissionais da área de saúde e educação atualizem os seus conhecimentos sobre neuropsicologia. Finalmente, servirá de oportunidade para que estudantes, profissionais e pesquisadores troquem experiências, façam um balanço de projetos em comum e planejem novas atividades de pesquisa, ensino e extensão.


Programação Resumida:
Serão realizadas três sessões temáticas, uma palestra e um mini-curso. Além disso, serão exibidos os últimos projetos que estão sendo desenvolvidos pelo LND, através de uma exposição de posteres.

Sessão Temática 1: Qualidade de Vida.
Coordenador: Prof. Dr. Vítor Geraldi Haase
(Professor Adjunto da FAFICH – UFMG)

Sessão Temática 2
: Multidisciplinaridade na esclerose múltipla.
Coordenador: Eduardo de Paula Lima
(Mestre em Psicologia do Desenvolvimento pela FAFICH – UFMG)

Sessão Temática 3
: Avaliação Neuropsicológica
Coordenador: Patrícia Martins de Freitas
(Doutoranda da Faculdade de Medicina – UFMG)

Palestra: Avaliação Neuropsicológica da Linguagem.
Palestrante: Prof. Dr. Rui Rothe-Neves
(Professor Adjunto da FALE – UFMG)

Mini-Curso: Genômica Comportamental.
Ministrante: Profa. Dra. Maria Raquel dos Santos
(Professora Adjunta do ICB – UFMG)

Bibliografia:
Será vendido um CD, que conterá uma seleção de artigos de periódicos, bem como uma apostila eletrônica abordando todos os temas tratados, pelo valor de R$10,00.
Investimento:
Estudantes: R$ 15,00
Profissionais: R$ 50,00


Inscrição:
Site da FUNDEP –
www.fundep.br/cursos
Callcenter FUNDEP – (31) 34994220
Postos de Atendimento FUNDEP
UFMG/Campus Pampulha - Avenida Antônio Carlos, 6627 – Praça de Serviços – loja 7 – Belo Horizonte, Minas Gerais


Outras Informações:
Para obter informações mais específicas, como a programação completa do curso, visite, por favor, o site da FUNDEP –
www.fundep.br/cursos
Para esclarecimento de dúvidas, visite o Blog do LND - lndufmg.blogspot.com
Programação Completa:
Dia 01/12/2005 – quinta-feira
Turno: Manhã: 07:30 – 12:30
Sessão Temática 1 - Qualidade de vida e aspectos psicossociais
Coordenador: Vitor Geraldi Haase

07:30 às 08:00 – credenciamento
1) 08:00 – 09:00 Vítor Geraldi Haase: A busca da Felicidade.
2) 09:00 – 09:40 Cíntia Yoshihara: qualidade da vida em crianças.
3) 09:40 – 10:20 Pedro Pinheiro Chagas: Implicações da CIF (Classificação Internacional de Incapacidade, Funcionalidade e Saúde – OMS) na paralisia cerebral.
4) 10:20 – 11:00 Patrícia Martins de Freitas: qualidade de vida em mães de crianças portadoras de paralisia cerebral.
5) 11:00 – 11:40 Gustavo de Val Barreto: estratégias de coping.
6) 11:40 – 12:30 Claret Luiz Dias Amarante: treinamento de pais

Turno: Tarde: 13:30 – 18:30
Sessão Temática 2 – Esclerose Múltipla (EM): abordagem multidisciplinar.
Coordenador: Eduardo de Paula Lima

1) 13:30 – 14:20 Fernanda de Oliveira Ferreira: abordagem neuropsicológica na EM.
2) 14:20 – 15:10 Eduardo de Paula Lima: Heterogeneidade cognitiva na EM.
3) 15:10 – 16:00 Alina Gomide Vasconcelos: Qualidade de vida na EM.
4) 16:00 – 16:50 Peterson M. Oliveira Andrade: reabilitação vestibular em EM.
5) 16:50 – 18:30 Erica Alves Arantes, Elziane Bouzada Dias Campos, Patrícia De Paula Martins, Thiago Augusto Hernandes Rocha e Carolyne Reis Barros, Pedro Pinheiro Chagas: Validação da bateria de testes Multiple Sclerosis Functional Composite (MSFC).



Dia 02/12/2005 – sexta-feira
Turno: Manhã: 07:30 – 08:30
Palestra: Rui Rothe-Neves: Avaliação neuropsicológica da linguagem.

Turno: Manhã: 08:30 – 12:30
Sessão Temática 3 – Avaliação Neuropsicológica
Coordenador: Patrícia Martins de Freitas

1) 08:30 - 09:20 Camila Teixeira Heleno: avaliação neuropsicológica da fluência verbal.
2) 09:20 – 10:00 Lorenzo Lanzetta Natale: avaliação neuropsicológica das funções executivas.
3) 10:00 – 10:50 Patrícia Martins de Freitas: avaliação neuropsicológica da paralisia cerebral.
4) 10:50 – 11:40 Patrícia Paes de Araújo Fialho: avaliação neuropsicológica das demências.
5) 11:40 – 12:30 Fernanda de Oliveira Ferreira: avaliação neuropsicológica na epilepsia do lobo temporal.

Turno: Tarde: 13:30 – 18:30
Mini Curso - Maria Raquel dos Santos Carvalho: Genômica comportamental.

Fatores que influenciam a avaliação subjetiva do stress na esclerose múltipla: implicações para a reabilitação neuropsicológica

Vitor Geraldi Haase


“Um cirurgião ortopédico certa vez comentou que deve ser muito difícil pesquisar sobre qualidade de vida, uma vez que o termo não apenas significa diferentes coisas para diferentes pessoas, mas também pode significar diferentes coisas para a mesma pessoa, ao longo da sua trajetória de doença. Ele então contou a história de uma senhora que lhe disse, após ouvir o diagnóstico de osteossarcoma, que se o tumor ósseo a impedisse de caminhar, a vida não teria mais sentido e ela preferiria a eutanásia. Quando chegou o momento em que esta senhora precisou utilizar uma cadeira de rodas para locomover-se, ela o informou que a vida ainda tinha valor, mas que se ela ficasse incontinente ou confinada ao leito, então sim a vida perderia todo significado e ela preferiria a eutanásia. Contudo, no momento em que, de fato, ela ficou incontinente e restrita ao leito, esta mesma senhora declarou veementemente que a vida ainda era repleta de sentido para ela e que ela não estava pronta para a eutanásia” (Sprangers & Schwartz, 1999, pp. 1507-1508).



O processo de avaliação subjetiva, ou seja, o modo como o indivíduo percebe e representa cognitivamente os eventos, desempenha um papel muito importante na adaptação psicossocial a doenças crônicas, tal como ilustrado na vinheta acima. Os resultados de pesquisa ainda são insuficientes, para que se identifique todas as variáveis que influenciam o processo de avaliação cognitiva, para que se possa hierarquizá-las em um modelo amplamente aceito, ou para derivar diretrizes que orientem o planejamento de intervenções eficazes. Este é um dos principais motivos para que sejam realizadas mais pesquisas na área de psicologia da saúde, as quais requerem um embasamento teórico sólido. A seguir, discutiremos um modelo teórico - e dados empíricos pertinentes - que procura identificar as variáveis relevantes à avaliação subjetiva do estado de saúde e da qualidade de vida, do stress causado pelo doença e das estratégias de enfrentamento, de modo a fornecer subsídios para o planejamento de intervenções neuropsicológicas com portadores de esclerose múltipla (EM).

Doenças crônicas podem representar um acúmulo de estressores (Schreurs & de Ridder, 1997). A adaptação psicossocial depende de como a vivência subjetiva do indivíduo e suas características comportamentais interagem entre si e com as peculiaridades da enfermidade. Enfatizaremos, neste trabalho, as aplicações no contexto da EM, que é a doença neurológica cronicamente progressiva e incapacitante de maior prevalência na idade adulta. Em cerca de 2/3 dos casos as pessoas acometidas são do sexo feminino e o pico de incidência situa-se por volta dos 30 anos de idade (Noseworthy, Lucchinetti, Rodriguez & Weinshenker, 2000). A etiologia é multifatorial, envolvendo conjuntos de poligenes e um fator ambiental, possivelmente uma infecção viral adquirida antes da adolescência (Compston, 1999). A fisiopatogênese envolve, inicialmente, alterações inflamatórias remitentes e recorrentes nas bainhas de mielina dos axônios do sistema nervoso central e, posteriormente, um processo degenerativo axonal progressivo (Perry & Anthony, 1999). A EM não reduz drasticamente a expectativa de vida, mas se associa, em 50% dos portadores, com dificuldades para manter um emprego remunerado após 10 anos de evolução, para caminhar sem auxilia após 15 anos de evolução e para se locomover sem cadeira de rodas após 25 anos de evolução (Rudick, 1999).

A EM se distingue pela alta prevalência de fadiga (Comi, Leocani, Rossi & Colombo, 2001) e depressão (Schubert & Foliart, 1993). O estudo de amostras demograficamente representativas indicou ainda que os déficits cognitivos na esclerose múltipla são relativamente freqüentes, comprometendo cerca de 50% dos portadores e se constituindo em uma dimensão independente de comprometimento daquelas representadas pela fadiga, problemas emocionais e déficits sensório-motores (Rao, Leo, Bernardin & Unverzagt, 1991). Mesmo sendo freqüentes, a severidade dos déficits cognitivos não é muito grave na maioria dos casos. Apenas cerca de 5% dos portadores de esclerose múltipla que apresentam déficits cognitivos o fazem com severidade suficiente para justificar um diagnóstico de demência (Rao, 1996, Rodriguez, Siva, Ward, Stolp-Smith, O’Brien & Kurland, 1994). Apesar de a intensidade de comprometimento não ser muito severa, comparativamente a outras entidades neurológicas, o impacto dos déficits cognitivos sobre a vida do portador é significativo, principalmente no que se refere à capacidade de manter uma ocupação profissional remunerada (Beatty, Blanco, Wilbanks, Paul & Hames, 1995). Uma característica adicional e que exerce grande impacto sobre a vida dos portadores é a imprevisibilidade associada ao curso clínico da EM, a qual foi identificada como um dos principais fatores de morbidade psicossocial (Mullins, Cote, Fuemmeler, Jean, Beatty & Paul, 2001).

O modelo de avaliação cognitiva do stress proposto por Lazarus e Folkman (1984, vide também Antoniazzi, Dell‘Aglio & Bandeira, 1998) pode constituir-se em um arcabouço relevante para o planejamento da reabilitação neuropsicológica (de Ridder & Schreurs, 2001, Gage, 1992). Com o advento dos modelos cognitivo-comportamentais em psicopatologia, consolidou-se uma concepção transacional do stress, que sublinha a importância dos aspectos situacionais (Dantzer, 1993). O desfecho do encontro do indivíduo com um evento estressante deriva de um processo de interação entre as variáveis individuais, variáveis ligadas ao evento e a avaliação cognitiva que a pessoa faz da situação. O que determina a natureza estressante de um evento não são tanto as suas características intrínsecas, mas a avaliação do indivíduo, a qual envolve um processo de interpretação simbólica ou de atribuição de significado (avaliação cognitiva ou subjetiva).

Para Lazarus e Folkman (1984), quatro são os conceitos fundamentais relacionados ao stress e seu enfrentamento:

i) O processo de enfrentamento (coping) é desencadeado toda a vez que a pessoa percebe as demandas como estando acima dos seus recursos. Nas palavras de Lazarus e Folkman o processo de coping é igualado aos “esforços cognitivos e comportamentais constantemente cambiantes para dar conta das demandas específicas externas e/ou internas que foram avaliadas como desafiando ou excedendo os recursos da pessoa” (1984, p. 141).

ii) O conceito de coping é o de um processo situacional que envolve uma interação dinâmica e complexa entre o indivíduo e o meio. O enfrentamento é visto em termos de administração de recursos escassos e não de domínio absoluto sobre a situação. A visão pressuposta do stress é realista, uma vez que nem todos os problemas podem ser resolvidos.

iii) O modelo inclui ainda a noção de avaliação, que consiste no modo como os fenômenos são percebidos, interpretados e representados cognitivamente na mente dos indivíduos. Uma situação só pode ser considerada estressante se é avaliada como tal. A avaliação é moderada por fatores pessoais e situacionais.

iv) Finalmente, o enfrentamento requer a mobilização de esforço, incluindo tanto a mobilização de recursos cognitivos quanto comportamentais com o intuito de reduzir, minimizar, superar ou tolerar as demandas internas e externas de uma transação com o ambiente que é percebida como excedendo as possibilidades da pessoa.

Outra característica digna de nota no modelo é o fato de que o processo de coping não é igualado a um mecanismo automático ou inconsciente de adaptação, como os mecanismos de defesa, correspondendo antes a um processo deliberado, intencional e que exige esforço por parte do indivíduo.

Lazarus e Folkman (1984) consideram a existência de três tipos de avaliação cognitiva: primária; secundária; e reavaliação. A avaliação primária consiste no processo de atribuir significado ao evento, julgando-o como irrelevante, benigno ou estressante. O processo de julgamento do que pode e deve ser feito a respeito constitui a avaliação secundária. Na terminologia de Bandura (1977), a avaliação do que pode ser feito é denominada de julgamento de expectativa de resultado, enquanto a avaliação do que deve ser feito é chamada de julgamento de expectativa de eficácia. Finalmente, as reavaliações consistem dos novos julgamentos que se fazem necessários após o indivíduo ter lançado mão de alguma estratégia de enfrentamento do evento estressante. O enfrentamento do stress deve ser concebido como um processo recursivo em que o indivíduo está constantemente avaliando os acontecimentos, gerando e lançando mão de estratégias de enfrentamento, e verificando os seus resultados através de um processo contínuo de reavaliação. De um modo geral, a avaliação primária consiste em buscar respostas às perguntas: Qual é o significado do evento? Como o evento pode afetar o meu bem-estar? A avaliação secundária trata, por sua vez, de responder a seguintes questões: O que eu posso fazer? O que vai me custar? Que resultados posso esperar? Por último, as perguntas respondidas pelo processo de reavaliação são: A minha estratégia de enfrentamento do stress funcionou?; Alguma coisa mudou?; Como eu estou me sentindo?

Lazarus (1979, citado em Krohne, 1997, p. 269) considera que os objetivos principais do processo de coping são: i) remover ou reduzir as influências do estímulo estressante; ii) tornar toleráveis as circunstâncias ou eventos desagradáveis ou adaptar o organismo às mesmas; iii) conservar uma auto-imagem positiva; e v) continuar se relacionando satisfatoriamente com as outras pessoas. O modelo de Lazarus e Folkman (1984) sugere ainda que isto é conseguido, basicamente, através de duas maneiras gerais ou estratégias de coping, pelas quais os indivíduos tentam se adaptar (vide Quadro 1). As estratégias focadas no problema ou instrumentais se referem às tentativas por parte do indivíduo de obter informação adicional para uma solução cognitiva mais eficaz do problema ou para mudar ativamente o evento ou situação estressante. Já as estratégias focadas nas emoções ou paliativas são aquelas que enfatizam as técnicas comportamentais e cognitivas objetivamente o manejo da tensão emocional produzida pelo evento ou situação estressantes. Estas estratégias não necessariamente removem a causa percebida do stress, mas ao invés disto, buscam auxiliar reduzindo o sofrimento. A relevância dos mecanismos de coping para no processo de enfrentamento da EM foi abordada em outro trabalho () e não será considerada aqui.



Goldstein (1995) sintetizou o modelo de avaliação subjetiva conforme Lazarus e Folkman, dividindo os fatores que influenciam a avaliação subjetiva em dois tipos: pessoais e situacionais (vide Quadro 2). A seguir, descrevemos dados pesquisados na literatura científica sobre a influência de cada um dos fatores identificados sobre o bem-estar de portadores de EM, enfatizando as implicações terapêuticas sempre que isto seja possível.


1. Fatores Pessoais

Os principais fatores pessoais são as características sócio-demográficas, os padrões de envolvimento, as crenças e os recursos. As características sócio-demográficas repercutem, muitas vezes, sob a forma de recursos disponíveis ao indivíduo para o enfrentamento e que influenciam o processo de avaliação.


a) Padrões de Envolvimento

O termo envolvimento se refere aos padrões de engajamento do indivíduo com uma determinada atividade ou tarefa dotada de significado pessoal, além de implicar uma ausência de alienação ou plenitude de sentido (Goldstein,1995). Adicionalmente à busca de atividades, o envolvimento consiste também na devoção a relacionamentos significativos, a valores, ideais ou tradições culturais, familiares ou pessoais. Uma vez que implica escolhas pessoais e valores, o envolvimento guarda certa semelhança com o construto de controle secundário ou interno, mas reveste-se do significado adicional de investimento de tempo e energia, ou seja, de esforço e afirmação de valores (Goldstein, 1995). Segundo Sprangers e Schwartz (1999), as mudanças nos padrões de envolvimento ou “set shifting” constituem um dos mecanismos principais pelos quais os indivíduos conseguem se adaptar às adversidades acarretadas por doenças crônicas e/ou incapacitantes ou pela velhice, preservando sua qualidade de vida ou bem estar psicossocial. A definição dada por Sprangers e Schwartz é de que o processo de “set shifting” consiste justamente nas mudanças de padrões internos, valores ou concepções sobre qualidade de vida, que permitem ao indivíduo continuar funcionando adaptativamente. As discrepâncias entre a avaliação objetiva e subjetiva do estado de saúde, tantas vezes observadas (Albrecht & Devlieger, 1999, Sprangers & Schwartz, 1999), podem ser explicadas por intermédio deste mecanismo de recalibração dos valores.

Sprangers e Schwartz (1999) propuseram um modelo teórico para compreender a interrelação dos diversos fatores pessoais e situacionais com o processo de mudança de envolvimento, contribuindo para a manutenção de avaliações cognitivas positivas, mesmo face às adversidades. O modelo pressupõe uma interação entre: i) eventos situacionais ou catalisadores que desencadeiam a mudança no estado de saúde (p. ex., os diversos tipos de doenças crônicas com suas especificidades); ii) os antecedentes pessoais do indivíduo, em termos dos recursos disponíveis, crenças, expectativas etc.; iii) os mecanismos de enfrentamento utilizados pelo indivíduos (comparação social, reatribuição cognitiva, redefinição dos objetivos etc.); e iv) as mudanças nos padrões de envolvimento (“set shifting”), resultando em recalibração dos padrões internos de avaliação, mudanças nos valores relativos dos diversos domínios de funcionamento e reconceitualização dos objetivos.

Traduzindo o modelo de “set shifting” em termos das concepções sobre stress e coping, é possível identificar a experiência da doença com um evento catalisador, ressaltando todas as peculiaridades da EM, especialmente o curso imprevisível, a idade precoce de início, os sintomas prevalentes de fadiga, depressão etc. A interação dos fatores situacionais ligados ao catalisador com os antecedentes (fatores pessoais) desencadeia o processo de avaliação cognitiva e utilização das estratégias de enfrentamento (mecanismos). Uma das estratégias mais importantes de coping empregadas, principalmente nas fases iniciais de adaptação à enfermidade, é a mudança nos padrões de envolvimento, que pode ser efetivada por meio de estratégias de coping focado na emoção (Sullivan, Mikail & Weinshenker, 1997). Ao contrário do que se supunha, o estudo de Sullivan e cols. demonstrou que as estratégias paliativas de coping podem ser altamente eficazes nas fases iniciais da doença, quando o indivíduo precisa lidar mais com a ameaça de perdas do que com perdas reais. O coping instrumental parece não ter muita utilidade no manejo da imprevisibilidade e das ameaças de perdas (vide também Antonak & Livneh, 1995).

Uma das conseqüências que o modelo de “set shifting” acarreta para as pesquisas sobre qualidade de vida é a inevitabilidade de utilizar métodos qualitativos de pesquisa associados aos tradicionais questionários ou inventários de auto-relato. O construto qualidade de vida, por exemplo, deve ser concebido de forma altamente dinâmica. À medida que as circunstâncias variam, muda também a métrica utilizada pelo indivíduo para avaliar seu estado subjetivo (Allison, Locker & Feine, 1997). Apesar das dificuldades apontadas por Schwartz e Sprangers (1999) no que diz respeito às metodologias qualitativas, a única maneira de tentar entender já experiência subjetiva do paciente ou procurar descobrir os envolvimentos em que ele baseia suas respostas aos questionários é através de entrevistas, ou seja, escutando o que a pessoa tem a dizer (Folkman, 1997). Dadas as suas deficiências em termos de propensão a viéses, impossibilidade de generalização etc., as metodologia qualitativas baseadas em entrevistas não podem ser no instrumento exclusivo de pesquisa, mas se constituem em um complemento valioso, quando o objetivo é detectar mudanças no envolvimento.

Um exemplo de intervenção que levou em consideração o construto “set shifting” foi conduzida por Schwartz (1999) e comparou a eficácia do treinamento em flexibilização de coping comparativamente ao apoio social. O treinamento em flexibilização de coping baseou-se em um modelo formulado por Schwartz e Rogers (1994) e consistia do treinamento de técnicas de auto-manejo que ajudassem os portadores a identificar as estratégias mais adequadas de coping, conforme as características do problema enfrentado. O apoio social foi implementado sob a forma do oferecimento de telefonemas mensais com duração média de 15 minutos, por 12 meses. As ligações telefônicas eram realizadas por portadores especialmente treinados em técnicas de escuta não-interventiva nos moldes da psicoterapia centrada no cliente. A análise dos resultados indicou que os portadores treinados quanto ao auto-manejo e flexibilização de coping obtiveram melhores êxitos em diversas áreas da qualidade de vida do que os portadores que receberam apoio social por telefone, os quais também apresentaram uma melhora significativa porém discreta (Schwartz, 1999). Em um estudo correlato foi relatado que os maiores ganhos quanto à avaliação subjetiva do estado de saúde e qualidade de vida foram obtidos, entretanto, por aqueles portadores que receberam treinamento e se engajaram no oferecimento de apoio social aos seus colegas (Schwartz & Sendor, 1999). O estudo de Schwartz e Sendor exemplifica uma situação em que o engajamento em atividades - em uma causa - possivelmente associado a comparações sociais favoráveis, permitiu a um grupo de indivíduos uma mudança nos seus padrões de envolvimento e uma mudança na avaliação subjetiva da sua qualidade de vida.


b) Crenças

As crenças podem ser divididas em existenciais e pessoais (Goldstein, 1995). As crenças existenciais tem a ver com a “Weltanschauung” do indivíduo. No contexto das doenças crônicas ou do envelhecimento, a principal crença existencial é a religião. A espiritualidade permite às pessoas dar um sentido à vida e manter a esperança face a adversidades (Goldstein, 1993, Goldstein & Neri, 1993, McFadden, 1996). A crença em Deus, em um ser superior ou protetor ou a crença em um plano pré-estabelecido ou telos ajuda a diminuir o conteúdo emocional de uma resposta e faz com que o evento seja avaliado de forma menos ameaçadora (Goldstein, 1995).

Heckhausen e Schulz (1995) relatam que as crenças mais importantes no plano pessoal se diferenciam conforme a fase da ação que influenciam: i) expectativas de resultado e de eficácia, que antecedem o curso de ação; ii) valores atribuídos ao curso de ação, que podem ser antecedentes à e modificado na própria fase de decisão, bem como na fase de implementação ou na fase conseqüente por ocasião da percepção dos seus resultados; e, finalmente, iii) a atribuição causal dos resultados da ação. Uma das crenças mais poderosas quanto `a influência sobre os resultados de diversos cursos de ação, tanto do ponto de vista dos resultados cognitivos quanto do ponto de vista da morbidade e do bem-estar individual, é exemplificada pela auto-eficácia percebida (Bandura, 1977, 1989). A crença de auto-eficácia é definida como o julgamento que o indivíduo faz de sua capacidade de organizar e executar os cursos de ação que se fazem necessários à obtenção de determinados resultados. A auto-eficácia percebida não diz respeito às habilidades que a pessoa possui, mas ao julgamento do que o indivíduo pode fazer com as habilidades que possui.

Segundo Bandura (1977), o modo como o indivíduo se relaciona com o ambiente é influenciado pelas crenças de auto-eficácia de três maneiras principais:

i) as crenças de auto-eficácia influenciam o processo de tomada de decisão sobre o curso de ação a ser seguido. As pessoas tendem a evitar situações e tarefas que acreditem exceder suas capacidades, mas se prontificam a exercer atividades que julguem ao seu alcance;

ii) as crenças sobre auto-eficácia influenciam o esforço dispendido e a persistência na tarefa. Frente a obstáculos, os indivíduos que duvidam das suas capacidades tendem a desistir, enquanto que os indivíduos com um forte senso de eficácia tendem a redobrar seus esforços; finalmente,

iii) as crenças sobre auto-eficácia influenciam a avaliação subjetiva. As pessoas que se julgam ineficazes para lidar com as demandas impostas pelo ambiente, tendem a avaliar os eventos como mais ameaçadores ou perigosos.

Ainda segundo Bandura (1989), quatro são as fontes de informação para as crenças de auto-eficácia, sejam elas verídicas ou ilusórias:

i) os resultados dos próprios desempenhos. Esta fonte de informação sugere um papel importante do ponto de vista psicoterapêutico para as experiências programadas de sucesso ou de aprendizagem sem erro e explicam a eficácia de muitos programas de reabilitação baseados em programação de atividades, mesmo quando as técnicas empregadas não consigam se generalizar para a vida cotidiana (e.g. Jonsson, Korfitzen, Heftberg, Ravnborg, & Byskov-Ottosen, 1993);

ii) a aprendizagem vicária ou modelação, pela experiência de visualizar ou observar o comportamento dos outros. Do ponto de vista dos mecanismos de manutenção da qualidade de vida, as comparações sociais favoráveis desempenham um papel na manutenção do bem estar (Gibbons, 1999);

iii) a persuasão social e outras formas de influência social que são muito mais eficazes na destruição das crenças de auto-eficácia do que no seu fortalecimento. Bandura (1989) observa que a ilusão de auto-eficácia pode ser prontamente desfeita pelos resultados da ação, mas aqueles que foram persuadidos de sua ineficácia tendem a evitar desafios desistem facilmente frente ao menor obstáculo. A restrição de comportamentos e diminuição dos esforços servem ao mesmo tempo para validar a crença na própria ineficácia e para preservar a auto-imagem na medida em que o indivíduo evita situações desafiadoras e, portanto, o fracasso.

iv) o estado fisiológico ou status funcional do indivíduo é, finalmente, um determinante poderoso das crenças de auto-eficácia.

O papel desempenhado pelas crenças de auto-eficácia no ajustamento psicológico de portadores de EM foi investigado por diversos pesquisadores (Barnwell e Cavanagh, 1997, Fournier, de Ridder & Bensing, 1999, Shnek, Foley, LaRocca, Gordon, Deluca, Schwartzman, Halper, Lennox & Irvine, 1997, Stuifbergen, Seraphine & Roberts, 2000, Wassen, 1992). Wassen (1992) concluiu que as expectativas de auto-eficácia podiam prever 24% da variância na adaptação à EM, enquanto que um modelo combinando auto-eficácia, expectativas de resultado e grau de incapacidade podia prever 52% da variância observada. No estudo de Stuifbergen, Seraphine e Roberts (1999) as crenças sobre auto-eficácia constituíram-se em um dos fatores antecedentes, que junto com diversas outras variáveis explicaram 66% da variância na qualidade percebida de vida e 58% da variância de comportamentos ligados à promoção ou recuperação da saúde. O trabalho relatado por Fournier, de Ridder e Bensing (1999) identificou as três dimensões constituintes do otimismo como sendo representadas pelas expectativas de resultados, expectativas de eficácia e pensamentos ilusórios. Um modelo de análise fatorial confirmatória mostrou que as expectativas de resultado e de eficácia explicavam os sintomas depressivos por intermédio de coping baseado na emoção. Uma pesquisa de Shnek e colaboradores (1997) comparou os níveis de auto-eficácia e de depressão em pacientes com EM e com seqüela de traumatismo raque-medular. A presença de desamparo e baixa auto-eficácia se correlacionava com depressão, mesmo após todas as variáveis intervenientes serem controladas. Os pacientes com EM exibiram níveis mais altos de desamparo e de depressão e mais baixo de auto-eficácia do que os portadores de seqüelas de lesões traumáticas. Os achados foram atribuídos às incertezas e multiplicidade de comprometimentos possíveis observados na EM. Finalmente, Barnwell e Kavanagh (1997) conduziram um estudo longitudinal para verificar a utilidade do construto auto-eficácia como preditor do nível de atividade social e da habilidade de controlar o humor dois meses após a primeira observação. Diversas outras variáveis entraram nos modelos de regressão hierárquica analisados, entre elas: variáveis demográficas, evolução da doença, status de incapacidade, auto-estima e grau de depressão. Tanto no que se refere ao controle do humor quanto à participação social o desempenho no pré-teste foi o melhor preditor da performance no follow-up, mas os níveis de auto-eficácia também contribuíram significativamente para a previsão. O grau de incapacidade no pré-teste conseguiu prever significativamente apenas o nível de participação social no seguimento. Os resultados citados sugerem que as crenças de auto-eficácia são um fator a ser considerado nas pesquisas sobre adaptação psicossocial de portadores de EM.

Estudos de psicologia social que remontam a Festinger (1954, citado por Clark, 1994, pp. 267-268, Gibbons, 1999, pp.1518-1519) indicam que, frente a situações previamente desconhecidas, na ausência de critérios objetivos e, particularmente, em situações em que se defrontem com incertezas sobre o que constitui a resposta mais adequada, as pessoas tendem a recorrer a um mecanismo de comparação social. Os indivíduos fazem perguntas ou observam o comportamento dos outros com o intuito de obter informações sobre o desempenho, as habilidades e sentimentos dos outros, de modo a posicionar comparativamente as suas próprias habilidades e respostas. Festinger acreditava que as pessoas tendiam a se comparar com indivíduos considerados similares a si próprias, mas que estivessem apresentando um desempenho discretamente melhor (“upward comparison”). Diversas pesquisas recentes em psicologia social indicam que, de fato, o mecanismo de comparação social desempenha um papel importante no ajustamento à doenças crônicas. Só que o sentido da comparação é exatamente o inverso daquele postulado por Festinger. Ou seja, indivíduos portadores de doenças crônicas tendem a fazer comparações sociais favoráveis (“downward comparison”) com pessoas em pior estado do que o seu, no intuito de elevar o seu auto-conceito e aumentar a sua auto-estima (Gibbons, 1999). Alguns dados indicam mesmo que a comparação social pode ser um dos mecanismos de coping paliativo que ajuda a explicar o fenômeno de mudança do envolvimento e a discrepância ente as avaliações objetiva e subjetiva da qualidade de vida (Gibbons, 1999, van der Zee, Buunk & Sanderman, 1995).

Os mecanismos sociais desempenham um papel importante na avaliação da saúde, da qualidade de vida e na adaptação à doença (Clakr, 1994). A maior parte do conhecimento que as pessoas dispõem sobre saúde e doença, principalmente a avaliação dos sintomas provém dos comportamentos de comparação social. Em termos de mecanismos de processamento de informação a comparação social pode servir, portanto, para: i) a avaliação dos sintomas: definir o estímulo, ou seja, a doença e seus sintomas; ii) as reações ao diagnóstico: precisar o contexto com informações sobre a prevalência, métodos diagnósticos, tratamentos, prognóstico, etc.; e, para finalmente, iii) a adaptação à doença: auxiliar no processo de coping (Clark, 1994). Resultados de pesquisa indicam que o processo de comparação social é um dos mecanismos implicados, por exemplo, na gênese de sintomas depressivos (Gibbons, 1986, Weary, Elbin & Hill, 1987, vide revisão em Clark, 1994) e que pode desempenhar um papel importante na adaptação social a diversas doenças graves tais como cardiopatia (Holahan, Moos, Holahan & Brennan, 1997) ou câncer (Stanton, Danoff-Burg, Cameron, Snider & Kirk, 1999, van der Zee, Oldersma, Buunk & Bos, 1998, van der Zee, Buunk, Sanderman, Botke & van den Bergh, 2000). Os mecanismos de comparação social parecem mesmo ser um dos componentes importantes para a eficácia dos grupos de auto-ajuda (Helgeson, Cohen, Schulz & Yasko, 2000). Uma pesquisa na Pubmed sobre comparação social e EM foi negativa em junho de 2002, mas nós julgamos que este é um aspecto importante a ser considerado no processo de convivência com a EM. A experiência clínica concorda com estas observações. A filha de uma senhora, que estava apresentando um quadro de demência subcortical por EM e suplicava insistentemente por algum tratamento que melhorasse sua condição, certa vez comentou: “Nossa, aquele ali é o Prof. A.! Mas ele está tão bem agora, trabalhando e tudo! Quem diria que ele já esteve na cadeira de rodas!”

No estudo de Schwartz e Sendor (1999), anteriormente descrito, é possível presumir que as comparações sociais favoráveis propiciadas pela experiência de ajudar os outros tenham sido um dos ingredientes que propiciaram ganhos quanto à avaliação subjetiva da qualidade de vida. Savishinsky (1992) comenta que o altruísmo envolve uma simetria aparentemente perfeita: quem ajuda doa seu tempo, um bem que nunca pode ser recuperado, em troca da gratidão, um reforço que não pode ser comprado. Desta forma, o altruísmo pode beneficiar ambas as partes, ou seja, “helping others helps oneself” (Schwartz & Sendor, 1999, p. 1563).


c) Recursos

“Porque àquele que tem, se dará, se terá em abundância; mas àquele que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado” (Mateus, 13, 12).

O prognóstico quanto à recuperação funcional após lesões do sistema nervoso parece obedecer à uma lógica perversa denominada de “Princípio de São Mateus”. O prognóstico é indicado pelos recursos disponíveis ao indivíduo tanto antes quanto depois da lesão. Os dados de pesquisa indicam que o sexo feminino, a juventude, o nível educacional, o status sócio-econômico, a menor severidade da lesão, a preservação da capacidade de insight, a ausência de transtornos psicopatológicos ou adição a alcool/drogas etc. são todos fatores correlacionados com melhor êxito após lesão cerebral adquirida (e.g., Gauggel, Konrad, Wietasch, 1998).

Um estudo conduzido por Beatty, Blanco, Wilbanks, Paul e Hames (1995) procurou identificar as características sócio-demográficas dos portadores de EM que continuavam trabalhando. A pesquisa demonstrou que o grupo de portadores que mantinha um emprego remunerado era mais jovem, melhor educado, tinha um grau de incapacidade física menor, uma duração mais curta da doença, uma idade mais jovem por ocasião do diagnóstico e um melhor desempenho em testes neuropsicológicos. Uma análise de regressão múltipla revelou que a capacidade de deambulação, o desempenho em dois testes de memória e no teste de fluência verbal, em conjunto, eram responsáveis por mais de 49% da variância no status ocupacional.

Muitas evidências empíricas indicam que os comprometimentos motor/sensorial, cognitivo, e os sintomas fadiga e depressão representam dimensões independentes, porém relacionadas do déficit neurológico na EM (Rao, Leo, Bernardin & Unverzagt, 1991). Os sintomas depressivos por exemplo, são mais freqüentes na EM do que em outras doenças neurológicas cronicamente progressivas (Schubert & Foliart, 1993). Fatores específicos relacionados ao padrão de dano neurológico ou à avaliação subjetiva que o indivíduo faz da sua situação precisam ser invocados para explicar estas discrepâncias (Rao, Huber & Bornstein, 1992). As interrelações entre estes diversos fatores parece ser bastante complexa, como é ilustrado em um estudo utilizando modelos de equações estruturais Voss, Arnett, Higginson, Randolph, Campos, & Dyck, 2002). No trabalho de Voss e cols. foram identificados efeitos diretos da fadiga sobre o humor de portadores de EM, bem como efeitos indiretos da incapacidade física, os quais eram mediados pela diminuição do acesso a atividades gratificantes. É possível concluir, portanto, que os sintomas depressivos podem estar tanto diretamente quanto indiretamente relacionados ao padrão de comprometimento neurológico observado na doença. A via indireta envolve a mediação de fatores situacionais e cognitivos, ou seja, da avaliação subjetiva do indivíduo.

A preservação das funções executivas ligadas à integridade do córtex pré-frontal tem recebido muita atenção no contexto da reabilitação neuropsicológica, como um fator preditor da capacidade de auto-motivação para o tratamento, repercutindo de modo favorável no sucesso dos esforços reabilitadores e na integração social (Hanks, Rapport, Millis & Deshpande, 1999). Alguns dados de pesquisa indicam que os sintomas depressivos, altamente prevalentes na EM, podem ter um impacto negativo sobre o desempenho cognitivo, repercutindo especialmente sobre aspectos do funcionamento executivo, tais como a memória de trabalho (Arnett, Higginson, Bender, Wurst & Tippin, 1999, Arnett, Higginson, Voss, Bender, Wurst, & Tippin,1999). Desta forma, pode criar-se um círculo vicioso, em que a menor capacidade de auto-regulação, exemplificada pela baixa auto-eficácia percebida, exacerba os sintomas depressivos, os quais, por sua vez, podem contribuir para prejudicar ainda mais o funcionamento cognitivo e a adaptação psicossocial do indivíduo.

Mas nem sempre o comprometimento cognitivo significa desajuste psicossocial, o que ilustra mais uma vez a complexidade dos mecanismos envolvidos. Kennedy Beaumont, Lintern e Murrell (2000), relataram que portadores de EM com maior tempo transcorrido desde o diagnóstico tendiam a apresentar menos depressão. Estes autores identificaram que a memória autobiográfica pode ser um dos fatores importantes na avaliação da qualidade de vida. Pacientes com memória autobiográfica preservada relatavam piores níveis de qualidade de vida, do que pacientes exibindo déficits mnemônicos e, portanto, sem condições de fazer uma avaliação comparativa da sua qualidade de vida em momentos anteriores da vida.

Os recursos físicos e cognitivos de portadores de EM já foram objeto de tentativas de manipulação. Diversos estudos examinaram o efeito do treinamento direto de portadores de EM em técnicas de manejo de stress. Além do trabalho de Schwartz (1999) já mencionado, as pesquisas de Foley, Bedell LaRocca, Scheinberg e Reznikoff (1987) e Mandel e Seller (1986) indicam que portadores de EM podem obter benefícios consideráveis a partir do treinamento em técnicas de auto-manejo para enfrentar o stress. Também houve tentativas diretas de incrementar os recursos cognitivos de portadores de EM. A reabilitação cognitiva trouxe, entretanto, apenas benefícios indiretos no estudo de Jonsson, Korfitzen, Heftberg, Ravnborg, Byskov-Ottosen (1993), sob a forma de melhorias nas percepções relacionadas à qualidade de vida. Já Plohman, Kappos, Ammann, Thordai, Wittwer, Huber, Bellaiche e Lechner-Scott (1998) foram capazes de obter efeitos diretos de melhoria do desempenho atencional através de um programa de treinamento utilizando computadores. Programas de treinamento aeróbico têm também repercutido sob a forma de melhoria do sintoma fadiga, do humor e de ganhos em qualidade de vida (Freeman, Langdon, Hobart & Thompson, 1997, Petajan, Gappmaier, White, Spencer, Mino & Hicks, 1996). Os benefícios dos programas de auto-manejo e de capacitação aeróbica estão bem estabelecidos, uma vez que foram objeto de replicação independente. Com relação à reabilitação cognitiva, permanece aberta a questão: até que ponto as melhorias obtidas são resultado de ganhos em recursos cognitivos ou secundárias a modificações no processo de avaliação subjetiva?

Um dos principais recursos disponíveis para o enfrentamento de stress é o apoio ou suporte social, o qual pode ser definido tanto estruturalmente, como o número de parceiros sociais disponíveis (rede social), ou funcionalmente, sob a forma da disponibilidade ou percepção de ajuda pelo indivíduo (Wills & Filer, 2000). Nem sempre as interações sociais são avaliadas como úteis por indivíduos sob stress (Coyne & de Longis, 1986), daí a importância do conceito de apoio social percebido. Os dados de pesquisa indicam que o apoio social se associa a diversos êxitos favoráveis, tais como diminuição da morbidade física e mental, aumento da longevidade e, conseqüentemente à melhor qualidade de vida (Bowling, 1994). Segundo Schreurs e de Ridder (1997) as relações entre stress e apoio social são bastante complexas: i) o apoio social pode ser considerado como um recurso de coping; ii) a busca de apoio social pode funcionar como uma estratégia de coping; iii) o apoio social pode ainda ser condicionado ao modo como o indivíduo está enfrentando o estressor - no caso de indivíduos deprimidos, por exemplo, o apoio social pode ser retirado; iv) finalmente, todo um sistema social, como a família ou as associações, podem se engajar nos esforços de enfrentamento.

A busca de apoio social é uma estratégia de coping freqüentemente empregada por portadores de doenças crônicas (Schreurs & de Ridder, 1997), mas os resultados nem sempre são os melhores. Sullivan, Mikail e Weinshenker (1997) descreveram as estratégias de coping empregadas por portadores de EM nas fases iniciais da doença, logo após o diagnóstico, quando a percepção de incerteza é maior. Enquanto 44% dos portadores deprimidos relataram utilizar a busca de apoio social como estratégia de enfrentamento, o que foi descrito por apenas 14% dos portadores sem transtornos de humor ou de ajustamento.

No contexto da EM, o apoio social tem sido tradicionalmente pesquisado como um recurso para coping, podendo influenciar no processo de avaliação secundária. Os dados disponíveis indicam que a percepção de apoio social se correlaciona a melhores desfechos adaptativos na EM (Long & Miller, 1991, Pakenham, 1999, Ritvo, Fisk, Archibald, Murray & Field, 1996, Wineman, 1991). No estudo de Ritvo e cols., por exemplo, a percepção de apoio social respondeu por 13.4% da variância em um inventário de saúde mental, ficando atrás em importância apenas do sintoma fadiga, que foi responsável por 28.0%. Pakenham (1999) relatou os resultados de uma observação longitudinal por 12 meses. O apoio social percebido ao início do estudo teve um efeito benéfico para aqueles indivíduos que também percebiam o nível de ameaça associada à doença como alta. Aqueles indivíduos que também percebiam o nível de ameaça como alto mas cujas que eram carentes de apoio social tiveram os piores desfechos. As percepções de apoio social foram indiferentes para o desfecho dos indivíduos que não avaliavam a doença como uma fonte de ameaça. Os dados do estudo de Pakenham foram interpretados em termos de um modelo de tamponanemento, em que o apoio social é mais benéfico para aqueles indivíduos experimentais níveis elevados de stress (Wills & Filer, 2000). A eficácia interventiva do oferecimento de apoio social aos portadores de EM foi demonstrada no estudo conduzido por Schwartz (1999) e discutido acima.



2. Fatores Situacionais

Os fatores situacionais dizem respeito à novidade, controlabilidade e timing dos eventos.


a) Novidade e Controlabilidade

Se uma situação é complemente nova e nenhum aspecto dela foi previamente associado subjetivamente a perda, não irá resultar em uma avaliação de ameaça (Goldstein, 1995). Da mesma forma, se nenhum aspecto da situação foi associado a controle ou ganho, não resultará em avaliação de desafio. Estas inferências sobre o significado da situação são baseadas, em grande parte, na experiência. Mas a experiência não precisa ser direta, pode ser vicária. Teoricamente, à medida que o indivíduo avança no curso da vida, mais experiência acumula e, portanto, maior chance tem de interpretar corretamente os eventos.

Para ser interpretado como uma ameaça ou desafio, o evento deve se caracterizar, portanto, por um certo grau de novidade, não excessiva a ponto de não poder ser reconhecido como tal, mas o suficiente para despertar insegurança quanto ao desenlace. Evidentemente, toda a experiência de doença crônica representa uma novidade que coloca em risco a crença do indivíduo na controlabilidade das contingências. Mohr e Dick (1998) chamam atenção para o fato de que o medo de perder o controle é um dos aspectos mais proeminentes da experiência dos portadores de EM. Vários aspectos da própria doença contribuem para isto: a idade de início, a complexidade e o seu curso imprevisível. Como acontece em muitas outras doenças, o diagnóstico de EM é acompanhado por uma sensação de pânico, ou fase de choque, em que muitas pessoas realmente perdem a sensação de controle, sendo invadidas por uma torrente de emoções e pensamentos, os mais contraditórios. Em muitas doenças crônicas, após a fase de choque o indivíduo passa a ter que se confrontar com uma outra realidade, de incapacitação ou de curso progressivo da doença. Passada a fase de choque na EM, todavia, a realidade pode ser bem diversa. Após algumas semanas ou meses, à medida que a pessoa vai se recuperando de um surto, pode ocorrer eventualmente uma restituição funcional do ponto de vista de uma avaliação objetiva, externa. Do ponto de vista subjetivo permanece, contudo, a insegurança e o medo de perder o controle. Muitas pacientes com EM apresentam um curso remitente e recorrente, de modo que somente vão começar a apresentar déficits físicos ou cognitivos após uma ou duas décadas de evolução da doença. Alguns apresentam um curso progressivo, acumulando déficits funcionais desde o início da doença. Outras pessoas, finalmente, podem apresentar uma evolução mais benigna da enfermidades em evidências de comprometimento funcional mesmo após vários anos de evolução da doença. O contingente de casos com evolução benigna é bastante expressivo em algumas séries publicadas (Moreira, Felipe, Mendes & Tilbery, 2000). No estado atual do conhecimento não existem marcadores demográficos, clínicos ou laboratoriais que permitam prognosticar o curso de evolução da doença em um caso individual. Esta imprevisibilidade quanto ao curso clínico que a doença vai percorrer acentua ainda mais a insegurança e a carga de stress provocadas pela enfermidade.

Mullins, Cote, Fuemmeler, Jean, Beatty & Paul (2001) conduziram um estudo para avaliar o impacto da incerteza e do grau de intrusão na vida pessoal associados à EM sobre o bem estar dos portadores. A incerteza foi definida como as percepções de ambigüidade quanto ao diagnóstico, prognóstico, relações com cuidadores/familiares, falta de informação e imprevisibilidade quanto ao curso clínico. O grau de intrusão foi definido como a medida com que os portadores experimentavam interferências da doença nas suas atividades. Ambas os construtos foram avaliados por meio de questionários de auto-relato. Os resultados indicaram que tanto a incerteza quanto o grau de intrusão provocado pela doença foram preditores independentes da qualidade de vida e adaptação psicossocial, irrespectivamente das características demográficas ou parâmetros da doença.


b) Timing

Neugarten (1979) chama atenção para normatividade social quanto ao curso de vida. As pessoas tem um conceito e expectativas sobre o que seja um curso “normal” de vida. Determinados eventos de vida são esperados em certas épocas e não em outras. De acordo com essa expectativa, as pessoas têm consciência de estarem em não “em dia” com o curso de sua vida (Goldstein, 1995). Dessa forma, muitos eventos de vida são esperados e não são vivenciados como crises quando ocorrem na época “certa” (p. ex., a saída dos filhos de casa na meia-idade). Se as transições normais da vida produzem ou não crise, depende em grande parte do seu timing. Goldstein (1995) menciona também o fato de que a ausência de um evento na época esperada - um não evento – pode também ser causadora de stress (p. ex., não ter filhos). Um evento fora de época pode, por exemplo, privar o indivíduo do apoio de pessoas da mesma idade e que estejam passando pela mesma situação (p. ex. ter filhos muito tarde). Um evento normativo, mas que ocorra muito cedo na vida, pode tira da pessoa a chance de se preparar para o papel (p. ex., ter um filho na adolescência).

Em conformidade com a hipótese de timing dos eventos de vida, os dados de pesquisa indicam que a idade atua como um fator moderador sobre a avaliação do estado de saúde, a qualidade de vida dos indivíduos (Daltroy, Larson, Eaton, Phillips & Liang, 1999, Deeg, Kardaum & Fozard, 1996, Hoeymans, Perkens, Feskens, Kromholt & van den Bos, 1997). Estes dados contrastam com o acúmulo de perdas funcionais e aumento da susceptibilidade a doenças associados à idade, constituindo mais um exemplo da chamada mudança de envolvimento ou “set shifting” (Daltroy, Larson, Eaton, Phillips & Liang, 1999). Alguns dados longitudinais de pesquisa, obtidos na Alemanha e Suíça, indicam que a satisfação com a vida após a aposentadoria mantém em seus níveis prévios para mais de 70% dos indivíduos (Mayring, 2000).

A experiência pessoal de observar um contraste muito grande entre o sofrimento intenso exibido por alguns portadores de EM com exames neurológicos normais ou quase normais face à atitude quase estóica de outras pessoas severamente comprometidas, chamou a atenção nossa para esse fenômeno do papel moderador que o envelhecimento pode desempenhar sobre as avaliações cognitivas. A literatura cita três interpretações possíveis para as relações entre envelhecimento e idade (Deeg, Kardaum & Fozard, 1996, Goldstein, 1995). Segundo a interpretação evolutiva, existem mudanças inerentes ao modo como as pessoas lidam com o stress em função da idade. As pessoas poderiam, por exemplo, mostrar um aumento no pensamento altruísta e no uso do bom humor e de um distanciamento saudável em relação aos problemas. A interpretação baseada em efeito de coorte sugere que as pessoas de uma mesma faixa etária foram submetidas ao mesmo tipo de criação e formação e, portanto, tendem a reagir de modo similar em cada uma das fases do seu desenvolvimento. Cada coorte lidaria com os eventos estressantes de uma maneira peculiar e daí se originariam as diferenças entre as diversas faixas etárias. Segundo a hipótese contextual, as diferenças observadas entre as pessoas de diversas faixas etárias no que se refere ao comportamento de coping origina-se de mudanças naquilo que as pessoas têm que enfrentar à medida que envelhecem. Ou seja, cada faixa etária enfrenta, do melhor modo possível, os estresses que lhe são peculiares, tais como perdas ameaças e desafios. A hipótese do efeito de coorte não se coaduna com os dados de observações longitudinais em indivíduos pertencentes a uma mesma coorte (Mayring, 2000). Todas as outras duas hipóteses são relevantes para a compreensão do que acontece na EM.

Por ser uma doença que afeta os indivíduos em torno dos 20 aos 40 anos de idade, a EM certamente representa um tipo de evento extemporâneo. O indivíduo tem que lidar com situações para as quais ainda não teve tempo de se preparar, com as quais nem sequer cogitava, ao menos naquele momento. Por outro lado, a experiência de enfrentar a EM certamente constitui-se em fonte de aprendizagem e vai se acumulando com os anos. Desta forma, é de esperar que haja diferenças, no que se refere ao enfrentamento da doença, entre os indivíduos mais jovens, inexperientes e lidando com um evento fora de tempo, e os indivíduos mais velhos, mais experientes com a doença e lidando com aspectos comuns na sua faixa etária. Os processos de comparação social podem desempenhar um papel importante neste processo (Roberts & Stuifbergen, 1998). As comparações sociais dos indivíduos jovens com EM são mais desfavoráveis do que as comparações sociais dos portadores mais idosos. No início da doença, a pessoa é obrigada a abdicar de uma série de atividades e interesses, levar uma vida regrada, sem excessos, envolver-se com auto-cuidados e com o sistema de assistência à saúde ou tentar segurar-se no emprego, etc., enquanto seus pares estão tratando de fazer carreira ou construir um patrimônio.

A hipótese do efeito moderador da idade sobre a avaliação subjetiva do estado de saúde na EM foi investigada por Roberts e Stuifbergen (1998). Estes autores investigaram mais de 800 portadores de EM, considerando os possíveis efeitos do estado de incapacidade, comorbidades, sintomas depressivos e a situação financeira sobre a auto-avaliação do estado de saúde. A amostra foi estratificada, quanto à faixa etária, em indivíduos jovens (18 a 45 anos), de meia-idade (46 a 60 anos) e idosos (61 a 78 anos). A análise de diversos modelos de equações estruturais, considerando tantos vias diretas quanto indiretas, revelou que o efeito total da incapacidade sobre a avaliação da qualidade de vida era maior para a amostra de jovens do que para as amostras de meia de idade e de pessoas mais velhas. Adicionalmente, os autores verificaram que a diferença entre as faixas etárias se devia aos efeitos diretos da incapacidade e não a efeitos mediados, por exemplo, por fatores econômicos ou pela associação com depressão. Roberts e Stuifbergen concluíram então que a idade pode realmente desempenhar um efeito moderador entre as condições “objetivas” de saúde e avaliação feita pelos portadores de EM.



3. Conclusão: Esclerose Múltipla, Desenvolvimento Adulto e Necessidades Assistenciais

Os resultados revisados de pesquisa indicam que a avaliação subjetiva do stress associado à doença é um fator preditor do ajustamento à vida com EM. As variáveis que influenciam a avaliação cognitiva do stress podem também ser focos de intervenção para melhorar a qualidade de vida dos portadores de EM (Mullins et al., 2001). O treinamento direto nos processos de avaliação secundária e escolha de métodos de coping se revelou mais eficaz do que o oferecimento de apoio social, apesar de este ter dado mais resultados que uma terapia tipo placebo (Schwartz, 1999). O engajamento de portadores de EM em atividades e na perseguição de metas valorizadas também foi benéfico (Schwartz & Sendor, 1999). Programas de treinamento cognitivo podem melhorar a qualidade de vida, na medida em que contribuem para uma avaliação mais realista das dificuldades cognitivas enfrentadas pelos portadores, aumentando assim as percepções de auto-eficácia (Jonsson et al., 1993), podendo até mesmo ter um papel direto na promoção de melhorias nos recursos cognitivos (Plohman et al., 1998). Finalmente, as abordagens psicoeducativas podem desempenhar um papel importante, uma vez que contribuem para reduzir a incerteza associada à doença (Glickman, 2002, Mertin & Vaney, 1999). O neuropsicólogo dispõe de um elenco razoável de técnicas de intervenção para promover a adaptação dos portadores de EM e o modelo de avaliação cognitiva do stress pode se constituir em uma abordagem à sua sistematização. O diagnóstico das possibilidades de intervenção em um determinado caso pode se beneficiar de uma revisão sistemática das avaliações do stress realizadas pelo portador e de sua funcionalidade, considerando a seguir os modos como estas avaliações poderiam ser eventualmente otimizadas.

Além da fase de evolução da enfermidade ou da história de envolvimento do portador com a enfermidade suas avaliações podem ser influenciadas também pela idade. Apesar de que, em geral, o grau de incapacidade aumenta com a evolução da doença e, portanto, com a idade, e de que, quanto maior o grau de incapacidade, mais negativas são as atitudes dos pacientes (Evers & Karnilowicz, 1996), a relação entre o estado funcional objetivamente verificado e a avaliação subjetiva pelo paciente é complexa, sendo moderada por muitas variáveis pessoais e situacionais (Goldstein, 1995), uma das quais pode ser a idade (Roberts & Stuifbergen, 1998). Em um estudo mais antigo, Kraft, Freal e Coryell (1986) realizaram uma enquete sobre as necessidades de serviço por parte dos portadores de EM. Enquanto a necessidade de serviços médicos e comunitários se correlacionava com o grau de incapacidade funcional, a necessidade de serviços psicológicos se associava significativamente à juventude e à recenticidade do diagnóstico de EM. Estes resultados de pesquisa sugerem que indivíduos de diferentes idades e em diferentes fases do curso da doença reagem de modo diferente e apresentam necessidades diferentes. Uma abordagem do desenvolvimento pode, portanto, ser útil no planejamento do atendimento aos portadores de esclerose múltipla.

O processo de adaptação à doença pode ser compreendido como uma série de fases, superponiveis e não necessariamente seqüenciais, mas organizadas de modo hierárquico (Antonak & Livneh, 1995). Estas fases de adaptação à doença coincidem e interagem na EM com praticamente todas as fases do desenvolvimento adulto. O convívio com os portadores de EM sugere que as reações e necessidades de pessoas que foram saudáveis até o início da vida adulta difere daquelas de pessoas que já apresentam problemas de saúde desde a infância ou que vão começar a enfrentá-los mais para o final da vida. Do ponto de vista do planejamento dos serviços reabilitativos, os modelos teóricos e dados empíricos revisados sugerem que os mesmos não devem ser planejados tendo em vista apenas as necessidades de fisioterapia ou de manejo dos esfíncteres, mas sim que devem ser periodicamente ajustados conforme as necessidades dos portadores vão mudando, à medida que a doença vai progredindo. É principalmente logo após o diagnóstico que as medidas psicoeducacionais, o suporte psicológico, o aconselhamento familiar e vocacional, bem como a participação em grupos de auto-ajuda, podem desempenhar um papel importante no sentido de orientar a pessoa a iniciar um processo de aprendizagem e adaptação como um modo de enfrentar esta doença cronicamente progressiva. O suporte psicológico e o aconselhamento familiar são importantes, dadas às dificuldades que muitas famílias apresentam par a compreender a origem do sofrimento de uma pessoa que às vezes apresenta incapacidades físicas relativamente discretas. O reconhecimento do impacto ocupacional exercido pelos transtornos cognitivos, mesmo os leves a moderados, representa, por outro lado, um ponto importante de partida para um planejamento eficaz do curso futuro de desenvolvimento pessoal. É possível prever que, os indivíduos que tenham aprendido neste processo a integrar as mudanças causadas pela doença no seu estilo de vida possam apresentar um auto-conceito mais elevado e melhor qualidade de vida.

Referências Bibliográficas

Albrecht, G. L. & Devlieger, P. J. (1999). The disability paradox: high quality of life against all odds. Social Science & Medicine, 48, 977-988.

Allison, P. J., Locker, D. & Feine, J. S. (1997). Quality of life: a dynamic construct. Social Science and Medicine, 45, 221-230.

Antonak, R. F. & Livneh, H. (1995). Psychosocial adaptation to disability and its investigation among persons with multiple sclerosis. Social Science & Medicine, 44, 1099-1108.

Antoniazzi, A. S., Dell‘Aglio, D. D. & Bandeira, D. R. (1998). O conceito de coping: uma revisão teórica. Estudos de Psicologia (Natal), 3, 273-294.

Arnett, P. A., Higginson, C. I., Bender, W. I., Wurst, J. M. & Tippin, J. M. (1999). Depressed mood in multiple sclerosis: relationship to capacity-demanding memory and attentional functioning. Neuropsychology, 13, 434-446.

Arnett, P. A., Higginson, C. I., Voss, W. D., Bender, W. I., Wurst, J. M. & Tippin, J. M. (1999). Depression in multiple sclerosis: relationship to working memory capacity. Neuropsychology, 13, 546-556.

Bandura, A. (1977). Self-efficacy: toward a unifying theory of behaviral change. Psychological Review, 84, 191-215.

Bandura, A. (1989). Human agency in social cognitive theory. American Psychologist, 44, 1175-1184.

Barnwell, A. M. & Kavanagh, D. J. (1997). Prediction of psychological adjustment in multiple sclerosis. Social Science & Medicine, 45, 411-418.

Beatty, W. W., Blanco, C. R., Wilbanks, S. L., Paul, R. H. & Hames, K. A. (1995). Demographic, clinical, and cognitive characteristics of multiple sclerosis patients who continue to work. Journal of Neurological Rehabilitation, 9, 167-173.

Bowling, A. (1994). Social networks and social support among older people and implications for emotional well-being and psychiatric morbidity. International Review of Psychiatry, 6, 41-58.

Clark, L. F. (1994). Social cognition and health psychology. In R. S. Wyer & T. K. Srull (Orgs.) Handbook of Social Cognition. Vol 2. Applicationsl (2a. ed., pp. 230-288). Hillsdale (NJ): Erlbaum.

Comi, G., Leocani, L., Rossi, P. & Colombo, B. (2001). Physiopathology and treatment of fatigue in multiple sclerosis. Journal of Neurology, 248, 174-`79.

Compston, A. (1999). The genetic epidemiology of multiple sclerosis. Philosophical Transactions of the Royal Society of London B, 354, 1623-1634

Coyne, J. C. & de Longis, A. (1986). Going beyond social support: the role of social relationships in adaptation. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 54, 454-460.

Daltroy, L. H. Y., Larson, M. G., Eaton, H. M., Phillips, C. B. & Liang, M. H. (1999). Discrepancies between self-reported and observed physical function in the elderly: the influence of response shift and other factors. Social Science & Medicine, 48, 1549-1562.

Dantzer, R. (1993). Coping with stress. In S. C. Stanford & P. Salmon (Orgs.) Stress. From synapse to syndrome (pp. 167-189). London: Academic.

Deeg, D. J. H., Kardaun, J. W. P. F. & Fozard, J. L. (1996). Health, behavior, and aging. In J. E. Birren & K. W. Schaie (Orgs.) Handbook of the psychology of aging (4a. ed., pp. 129-149). San Diego: Academic.

de Ridder, D.& Schreurs, K. (2001). Developing interventions for chronically ill patients: is coping a useful concept? Clinical Psychology Review, 21, 205-240.

Evers, K. J. & Karnilowicz, W. (1996). Patient attitude as a function of disease state in multiple sclerosis. Social Science & Medicine, 43, 1245-1251.

Foley, F. W., Bedell, J. R. LaRocca, N. G., Scheinberg, L. C. & Reznikoff, M. (1987). Efficacy of stress-inoculation training in coping with multiple sclerosis. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 55, 919-922.

Folkman, S. (1997). Positive psychological states and coping with severe stress. Social Science & Medicine, 45, 1207-1221.

Fournier, M., de Ridder, D. & Bensing, J. (1999). Optimism and adaptation to multiple sclerosis: what does optimism mean? Journal of Behavioral Medicine, 22, 303-326.

Freeman, J. A., Langdon, D. W., Hobart, J. C. & Thompson, A. J. (1997). The impact of inpatient rehabilitation on progressive multiple sclerosis. Annals of Neurology, 42, 236-244.

Gage, M. (1992). The appraisal model of coping: an assessment and intervention model for occupational therapy. American Journal of Occupational Therapy, 46, 353-362.

Gauggel, S., Konrad,K. & Wietasch, A. K. (1998). Neuropsychologische Rehabilitation. ein Kompetenz- und Kompensationsprogramm. Weinheim: Beltz/PVU.

Gibbons, F. X. (1999). Social comparison as a mediator of response shift. Social Science & Medicine, 48, 1517-1530.

Glickman, S. (2002). Initial rehabilitation consultation in MS. International MS Journal, 8, 103-107.

Goldstein, L. L. (1993). Desenvolvimento do adulto e religiosidade: uma questão de fé. In A. L. Neri (Org.) Qualidade de vdia e idade madura (pp. 83-108). Campinas: Papirus.

Goldstein, L. L. (1995). Stress e coping na vida adulta e na velhice. In A. L. Neri (Org.) Psicologia do envelhecimento (pp. 145-158). Campinas: Papirus.

Goldstein, L. L. & Neri, A. L. (1993). Tudo bem, graças a Deus. Religiosidade e satisfação na maturidade e na velhice. In A. L. Neri (Org.) Qualidade de vdia e idade madura (pp. 109-136). Campinas: Papirus.

Hanks, R. A., Rapport, L. J., Millis S. R. & Deshpande, S. A. (1999). Measures of executive functioning as predictors of functional ability and social integration in a rheabilitation sample. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 80, 1030-1037.

Heckhausen, J. & Schultz, R. (1995). Uma teoria do controle no curso de vida. In A. L. Neri (Org.) Psicologia do envelhecimento (pp. 159-194). Campinas: Papirus.

Helgeson, V. S., Cohen, S., Schulz, R. & Yasko, J. (2000). Group support interventions for women with breast cancer: who benefits from what? Health Psychology, 19, 107-114.

Hoeymans, N., Feskens, E. J. M., Kromholt & van den Bos, G. A. M. (1997). Ageing and the relationship between functional status and self-rated health in elderly men. Social Science & Medicine, 45, 1527-1536.

Holahan, C. J., Moos, R. H., Holahan, C. K. & Brennan, P. L. (1997). Social context, coping strategies, and depressive symptoms: an expanded model with cardiac patients. Journal of Personality and Social Psychology, 72, 918-928.

Jonsson, A., Korfitzen, E. M., Heftberg, A., Ravnborg, H. M. & Byskov-Ottosen, E. (1993). Effects of neuropsychological treatment in patients with multiple sclerosis. Acta Neurologica Scandinavica, 88, 394-400.

Kennedy Beaumont, Lintern e Murrell (2000). Autobiographical memory, depression and quality of life in multiple sclerosis. Journal of Clinical and Experimental Neuropsychology, 22, 125-131.

Kraft, G. H., Freal, J. E. & Coryell, J. K. (1986). Disability, disease duration and rehabilitation service needs in multiple sclerosis: patients perspectives. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 67, 164-168.

Krohne, H. W. (1997). Stress, Emotionen und Bewältigung. In R. Schwarzer (Org.) Gesundheitspsychologie. Ein Lehrbuch (2a. ed., pp. 267-284). Göttingen: Hogrefe.

Lazarus, R. S. & Folkman, S. (1984). Stress, appraisal, and coping. New York: Springer.

Long, D. D. & Miller, B. J. (1991). Suicidal tendency and multiple sclerosis. Health and Social Work, 16, 104-109.

Mandel, A. R. & Seller, S. M. (1986). Stress management in rehabilitation. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 67, 375-379.

Mayring, P. (2000). Pensionierung als Krise oder Gücksgewinn? Ergebnisse aus einer quantitativ-qualitativen Längsschnittuntersuchung. Zeitschrfit für Gerontologie und Geriatrie, 33, 124-133.

McFadden, S. H. (1996). Religion, spirituality, and aging. In J. E. Birren & K. W. Schaie (Orgs.) Handbook of the psychology of aging (4a. ed., pp. 162-180). San Diego: Academic.

Mertin, J. & Vaney, C. (1999). Rehabilitation bei Multipler Sklerose. In P. Frommelt & J. Grötzbach (Orgs.) Neurorehabilitation. Grundlagen, Praxis, Dokumentation (pp. 466-473). Berlin: Blackwell.

Mohr, D. C. & Dick, L. P. (1998). Multiple sclerosis. In P.M. Camic & S.J. Knight (Orgs.) Clinical handbook of health psychology: a practical guide to effective interventions (pp. 313-348). Seattle: Hogrefe & Huber.

Moreira, M. A., Felipe, E., Mendes, M. F. & Tilbery, C. P. (2000). Esclerose múltipla. Estudo descritivio de suas formas clínicas em 302 casos. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 58, 460-466.

Mullins, L. L., Cote, M. P., Fuemmeler, B. F., Jean, V. M., Beatty, W. W. & Paul, R. H. (2001). Illness intrusiveness, uncertainty, and distress in individuals with multiple sclerosis. Rehabilitation Psychology, 46, 139-153.

Neugarten, B. L. (1979). Time, age, and the life cycle. American Journal of Psychiatry, 136, 887-894.

Noseworthy, J. H., Lucchinetti, C., Rodriguez, M. & Weinshenker, B. G. (2000). Medical progress: multiple sclerosis. New England Journal of Medicine, 343, 938-952.

Pakenham, K. I. (1999). Adjustment to multiple sclerosis: applications of a stress and coping model. Health Psychology, 18, 383-392.

Petajan, J. H., Gappmaier, E, White, A. T., Spencer, M. K., Mino L. & Hicks, R.W. (1996). Impact of aerobic training on fitness and quality of life in multiple sclerosis. Annals of Neurology, 39, 432-441.

Perry, V. H. & Anthony, D. C. (1999). Axon damage and repair in multiple sclerosis. Philosophical Transactions of the Royal Society of London B, 354, 1641-1647.

Plohmann, A. M., Kappos, L., Ammann, W., Thordai, A., Wittwer, S., Huber, Bellaiche, Y. & Lechner-Scott, J. (1998). Computer assisted retraing of attentional impairments in patients with multiple sclerosis. Journal of Neurology, Neurosurgery, and Psychiatry, 64, 455-462.

Rao, S. M. (1996). White matter disease and dementia. Brain & Cognition, 31, 250-268.

Rao, S. M., Huber, S. J. & Bornstein, R. A. (1992). Emotional changes with multiple sclerosis and Parkinson’s disease. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 60, 369-378.

Rao, S. M., Leo, G. J., Bernardin, L. & Unverzagt, F. (1991). Cognitive dysfunction in mujltiple sclerosis. I. Frequency, patterns, and predictions. Neurology, 41, 685-691.

Ritvo, P. G., Fisk, J. D., Archibald, c. J., Murray, J. & Field, c. (1996). Psychosocial and neurological predictors of mental health in multiple sclerosis patients. Journal of Clinical Epidemiology, 49, 467-472.

Roberts, G. & Stuifbergen, A. K. (1998). Health appraisal models in multiple sclerosis. Social Sciences and Medicine, 47, 243-253.

Rodriguez, M. Siva, A., Ward, J., Stolp-Smith, K., O’Brien, P. & Kurland, L. (1994). Impairment, disability, and handicap in multiple sclerosis. A population-based study in Olmsted County, Minnesota. Neurology, 44, 28-33.

Rudick, R. A. (1999). Disease-modifying drugs for relapsing-remitting multiple sclerosis and future directions for multiple sclerosis therapeutics. Archives of Neurology, 56, 1079-1084.

Schubert, D. S. & Foliart, R. H. (1993). Increased depression in multiple sclerosis patients. A meta-analysis. Psychosomatics, 34, 124-130.

Schwartz, C. E. (1999). Teaching coping skills enhances quality of life more than peer support: results of a randomized trial with multiple sclerosis patients. Health Psychology, 18, 211-220.

Schwartz, C. E. & Rogers, M. (1994). Designing a psychosocial intervention to teach coping flexibility. Rehabilitation Psychology, 39, 57-72.

Schwartz, C. E. & Sendor, R. M. (1999). Helping others helps oneself: response shift effects in peer support. Social Science & Medicine, 48, 1563-1577.

Savishinsky, J. S. (1992). Intimacy, domesticity and pet therapy with the elderly: expectation and experience among nursing home volunteers. Social Science and Medicine, 34, 1325-1334.

Schreurs, K. M. G. & de Ridder, D. T. D. (19987). Integration of coping and social support perspectives: implications for the study of adaptation to chronic diseases. Clinical Psychology Review, 17, 89-112.

Shnek, Z. M., Foley, F. W., LaRocca, N. G., Gordon, W. A., DeLuca, J., Schwartzman, H. G., Halper, J., Lennox, S. & Irvine, J. (1997). Helplessness, self-efficacy, cognitive distortions, and depression in multiple sclerosis and spinal cord injury. Annals of Behavioral Medicine, 19, 187-194.

Sprangers, M. A. G. & Schwartz, C. E. (1999). Integrating response shift into health-related quality of life research: a theoretical model. Social Science & Medicine, 48, 1507-1516.

Stanton, A. L., Danoff-Burg, Cameron, C. L., Snider, P. R. & Kirk, S. B. (1999). Social comparison and adjustment to breast cancer: an experimental examination of upward affiliation and downward evalutation. Health Psychology, 18, 151-158.

Stuifbergen, A. K. , Seraphine, A. & Roberts, G. (2000). An explanatory model of health promotion and quality of life in chronic disabling conditions. Nursing Research, 49, 123-129.

Sullivan, M. J. L., Mikail, S. & Weinshenker, B. (1997). Coping with a diagnosis of multiple sclerosis. Canadian Journal of Behavioural Science, 29, 249-257.

van der Zee, K., Buunk, B. & Sanderman, R. (1995). Social comparison as a mediator between health problems and subjective evaluations. British Journal of Social Psychology, 34, 53-65.

van der Zee, K., Oldersma, F., Buunk, B. P. & Bos, D. (1998). Social comparison preferenes among cancer patients as related to neuroticism and social comparison orientation. Journal of Personality and Social Psychology, 75, 801-810.

van der Zee, K., Buunk, B., Sanderman, R., Botke,G. & van den Bergh (2000). Social comparison and coping with cancer treatment. Personality and Individual Differences, 28, 17-34.

Voss, W. D., Arnett, P. A., Higginson, C. I., Randolph, J. J., Campos, M. D. & Dyck, D. G. (2002). Contributing factors to depressed mood in multiple sclerosis. Archives of Clinical Neuropsychology, 17, 103-115.

Weary, G., Elbin, s. Hill, M. G. (1987). Attributional and social comparison processes in depression. Journal of Personality and Social Psychology, 52, 605-610.

Wills, T. A. & Filer, M. (2000). Social networks and social support. In A. Baum & T. Revenson (Orgs.) Handbook of health psychology (pp. 209-234). Mahwah (NJ): Erlbaum.

Wineman, N. M. (1991). Adaptation to multiple sclerosis: the role of social support, functional disability and perceived uncertainty. Nursing Research, 39, 194-199.

Psicologia da saúde e esclerose múltipla: perspectivas do modelo de stress e coping

Vitor Geraldi Haase


“São as nossas escolhas, Harry, que revelam o que realmente somos, muito mais do que as nossas qualidades” (Rowling, 2000).

Confrontados com uma doença crônica e/ou ameaçadora da vida os indivíduos se deparam com a necessidade de se acomodar a ela, de se adaptar no sentido de continuar “levando a vida”, ou seja, de manter o nível de funcionamento, a qualidade de vida e continuar se desenvolvendo como pessoas (Diener, 2000). O processo de adaptação a doenças crônicas e incapacitantes é bastante complexo e sua multidimensionalidade se reflete na proliferação de modelos teóricos tentando explicá-lo. O mais notável no processo de adaptação à doença e/ou incapacidade é o grau de sucesso observado na maioria das vezes (Sprangers & Schwartz, 1999). A preconização de um modelo mais colaborativo de assistência à saúde, ocorrida nos últimos anos (von Korff et al., 1997), é o resultado do reconhecimento do papel que os aspectos motivacionais e a vivência subjetiva do paciente representam tanto na aderência ao tratamento, quanto na definição do prognóstico a mais longo prazo, principalmente no caso de doenças crônicas.

1. Stress e Coping

Com a repercussão em larga escala das idéias psicanalíticas, principalmente a partir da década de 50, ocorreu uma difusão crescente da noção de que fatores sociais e emocionais desempenham um papel muito importante não apenas no que se refere à saúde mental, mas também no que se refere à saúde física. Na chamada medicina psicossomática, houve uma preocupação muito grande em identificar características de personalidade que aumentassem o risco ou a susceptibilidade a determinadas condições mórbidas. Grande parte das tentativas infrutíferas de estabelecer uma associação entre características de personalidade e esclerose múltipla remonta, por exemplo, aos anos de 1950 a 1970 (Antonak & Livneh, 1995). A maior dificuldade com as teorias baseadas em traços de personalidade é que, se por um lado a estrutura fatorial se mantém constante ao longo do ciclo vital (Caspi, 1987, McCrae et al., 2000), por outro lado, os coeficientes de correlação, apesar de significativos, são apenas moderados, indicando a influência de fatores ligados à capacidade adaptativa e de aprendizagem (Asendorpf, 1997).

Um desenvolvimento importante na década de 60 foi o surgimento da noção de que determinados acontecimentos de vida (“life events”) poderiam ter um impacto significativo sobre a saúde física e mental. Remonta a esta época a Escala de Eventos Vitais de Holmes e Rahe (!967, Savoia, 2000), bem como as tentativas de criar uma hierarquia, estabelecendo valores para o impacto causado por cada um dos tipos de eventos vitais (Rahe, 1995). A consideração da interação dos eventos vitais com fatores ligados ao indivíduo, seja de natureza genética ou aprendida, seja de natureza fisiológica ou psicológica, possibilitou a construção do modelo etiológico de diátese-stress, ainda muito influente em psicopatologia (Fowles, 1992). Ou seja, determinados tipos de eventos, ocorrendo na vida de indivíduos susceptíveis, podem desencadear um processo mórbido ou que coloque em risco a saúde. Subjacente à noção de eventos vitais encontra-se um modelo linear de causalidade do tipo estímulo-resposta. No modelo linear de stress existe uma proporcionalidade entre a gravidade do evento vital e o grau ou intensidade de stress provocado (Dantzer, 1993). O modelo linear não consegue explicar, entretanto, a variabilidade individual observada nas respostas, isto é, por que o impacto dos eventos vitais é maior sobre alguns indivíduos do que sobre outros.

Com o advento dos modelos cognitivo-comportamentais em psicopatologia, consolidou-se uma concepção transacional do stress, que sublinha a importância dos aspectos situacionais (Dantzer, 1993). O resultado ou desenlace do encontro do indivíduo com um evento estressante deriva de um processo de interação entre as variáveis individuais, variáveis ligadas ao evento e a avaliação cognitiva que a pessoa faz da situação. O que determina a natureza estressante de um evento não são tanto as suas características intrínsecas, mas a avaliação do indivíduo, a qual envolve um processo de interpretação simbólica ou de atribuição de significado (avaliação cognitiva ou subjetiva). Um dos modelos mais influentes é o chamado modelo cognitivo ou transacional do stress proposto por Richard Lazarus (Lazarus & Folkman, 1984, Folkman, 1997, Goldstein, 1995). Para Lazarus e Folkman (1984), quatro são os conceitos fundamentais relacionados ao stress e seu enfrentamento:

a) O processo de enfrentamento (coping) é desencadeado toda a vez que a pessoa percebe as demandas como estando acima dos seus recursos. Nas palavras de Lazarus e Folkman o processo de coping é igualado aos “esforços cognitivos e comportamentais constantemente cambiantes para dar conta das demandas específicas externas e/ou internas que foram avaliadas como desafiando ou excedendo os recursos da pessoa” (Lazarus & Folkman, 1984).

b) O conceito de coping é o de um processo situacional que envolve uma interação dinâmica e complexa entre o indivíduo e o meio. O enfrentamento é visto em termos de administração de recursos escassos e não de domínio absoluto sobre a situação. A visão pressuposta do stress é realista, uma vez que nem todos os problemas podem ser resolvidos.

c) O modelo inclui ainda a noção de avaliação, que consiste no modo como os fenômenos são percebidos, interpretados e representados cognitivamente na mente dos indivíduos. Uma situação só pode ser considerada estressante se é avaliada como tal. A avaliação é moderada por fatores pessoais e situacionais.

d) Finalmente, o enfrentamento requer a mobilização de esforço, incluindo tanto a mobilização de recursos cognitivos quanto comportamentais com o intuito de reduzir, minimizar, superar ou tolerar as demandas internas e externas de uma transação com o ambiente que é percebida como excedendo as possibilidades da pessoa.
Outra característica digna de nota no modelo é o fato de que o processo de coping não é igualado a um mecanismo automático ou inconsciente de adaptação, correspondendo antes a um processo deliberado, intencional e que exige esforço por parte do indivíduo.

Lazarus e Folkman (1984) consideram a existência de três tipos de avaliação cognitiva: avaliação primária, secundária, e reavaliação. A avaliação primária consiste no processo de atribuir significado ao evento, julgando-o como irrelevante, benigno ou estressante. O processo de julgamento do que pode e deve ser feito a respeito constitui a avaliação secundária. Na terminologia de Bandura (1977), a avaliação do que pode ser feito é denominada de julgamento de expectativa de resultado, enquanto a avaliação do que deve ser feito é chamada de julgamento de expectativa de eficácia. Finalmente, as reavaliações consistem dos novos julgamentos que se fazem necessários após o indivíduo ter lançado mão de alguma estratégia de enfrentamento do evento estressante. O enfrentamento do stress deve ser concebido como um processo recursivo em que o indivíduo está constantemente avaliando os acontecimentos, gerando e lançando mão de estratégias de enfrentamento, e verificando os seus resultados através de um processo contínuo de reavaliação. De um modo geral, a avaliação primária consiste em buscar respostas às perguntas: Qual é o significado do evento? Como o evento pode afetar o meu bem-estar? A avaliação secundária trata, por sua vez, de responder a seguintes questões: O que eu posso fazer? O que vai me custar? Que resultados posso esperar? Por último, as perguntas respondidas pelo processo de reavaliação são: A minha estratégia de enfrentamento do stress funcionou?; Alguma coisa mudou?; Como eu estou me sentindo?

Segundo Lazarus (cf. Krohne, 1997), os objetivos principais do processo de coping são: a) remover ou reduzir as influências do estímulo estressante; b) tornar toleráveis as circunstâncias ou eventos desagradáveis ou adaptar o organismo às mesmas; c) conservar uma auto-imagem positiva; e e) continuar se relacionando satisfatoriamente com as outras pessoas. O modelo de Lazarus e Folkman (1984) sugere ainda que isto é conseguido, basicamente, através de duas maneiras gerais ou estratégias de coping, pelas quais os indivíduos tentam se adaptar (vide Q!uadro 1). As estratégias focadas no problema ou instrumentais se referem às tentativas por parte do indivíduo de obter informação adicional para uma solução cognitiva mais eficaz do problema ou para mudar ativamente o evento ou situação estressante. Já as estratégias focadas nas emoções ou paliativas são aquelas que enfatizam as técnicas comportamentais e cognitivas objetivamente o manejo da tensão emocional produzida pelo evento ou situação estressantes. Estas estratégias não necessariamente removem a causa percebida do stress, mas ao invés disto, buscam auxiliar reduzindo o sofrimento.


Os conceitos de coping instrumental e paliativo são reminescentes de algumas técnicas utilizadas em terapia cognitiva, como a solução de problemas ou reatribuição cognitiva (Fennel, 1997, Young et a., 1999) ou de outros construtos desenvolvidos na psicologia social, tais como as noções de controle primário e secundário desenvolvidas por Rothbaum, Weisz e Snyder (1982), ou os conceitos de coping assimilativo e acomodativo de Brandstädter (1989). Os processos assimilativos ou de controle primário dizem respeito a todas os esforços intencionais mobilizados com o intuito de alterar o ambiente de modo a satisfazer as necessidades e os desejos do indivíduo. Os processos acomodativos ou de controle secundário dizem respeito, por outro lado, aos mecanismos de reatribuição positiva de significado como, p. ex., busca de um sentido na experiência, concentração sobre os aspectos positivos, comparações sociais favoráveis, etc. Os processos acomodativos ou de controle secundário referem-se, portanto, a tentativas de se deixar controlar e de nadar a favor da maré, contrastando assim com a desistência de controle, desamparo e outros comportamentos relacionados com a expressão de incontrolabilidade. O controle primário envolve comportamentos dirigidos ao mundo externo, enquanto o controle secundário envolve comportamentos dirigidos ao mundo interno (Heckhausen & Schultz, 1995).

Todos os modelos teóricos mencionados, o de coping de Lazarus e Folkman (1984), o de controle de Rothbaum e cols. (1982), bem como o modelo dos dois processos de Brandstädter (1989), chamam atenção para as características situacionais, considerando que a adaptatividade reside no uso flexível dos dois tipos de coping. De um modo em geral, entretanto, o coping instrumental ou controle primário tem primazia sobre as estratégias de coping paliativo ou controle secundário, uma vez que só o controle primário habilita o indivíduo a modelar o ambiente de modo a selecionar contingências que satisfaçam seus interesses pessoais e suas necessidades de desenvolvimento (Heckhausen & Schultz, 1995).

2. Stress e Coping na Esclerose Múltipla

A relação da esclerose múltipla com o stress é de mão dupla. Por um lado, tanto a experiência clínica quanto a opinião dos pacientes sugerem que eventos de vida podem precipitar surtos de esclerose múltipla (Beatty, 1993, Mohr & Dick, 1998). Um comitê da American Academy of Neurology revisou as evidências empíricas disponíveis a respeito, considerando-as insuficientes e fazendo recomendações para o delineamento de estudos que se destinassem a investigar esta questão (Goodkin et al., 1999). Pelo menos um estudo foi publicado desde então, adotando critérios metodológicos bastante rigorosos (Mohr et al., 2000). O estudo de Mohr e cols. utilizou um delineamento longitudinal, um tempo de follow-up de 28 a 100 semanas, monitorização mensal dos pacientes, tanto do ponto de vista clínico neurológico, e psicológico, quanto através de ressonância magnética com injeção de Gadolíneo. Adicionalmente, a amostra foi relativamente grande, 36 participantes, o estudo adotou instrumentos psicométricos bem padronizados e foram controlados do ponto de vista estatístico tanto os efeitos de correlação entre os sujeitos quanto intra-individuais. Os resultados demonstraram risco significativamente maior de novas lesões positivas após a injeção de contraste para os indivíduos em que tinha havido aumento do nível de conflitos ou perturbações da rotina 8 semanas antes do exame. O estudo não demonstrou, entretanto, uma relação significativa entre stress psicológico e novos surtos da doença.

Por outro lado, a esclerose múltipla confronta o indivíduo com uma carga enorme222 de stress e em uma fase da vida em que não existem expectativas normativas de o indivíduo adoecer. É preciso, portanto, considerar o impacto da doença sobre o indivíduo sob a forma de stress e dos seus modos de enfrentamento. De um modo geral, tanto o modelo cognitivo do stress e coping de Lazarus e Folkman (1984) quanto o modelo do controle no curso da vida (Heckhausen & Schultz, 1995) prevêem que, face a eventos incontroláveis como doença, incapacidade, ou as abdicações relacionadas com o envelhecimento, os indivíduos devem lançar mão com mais freqüência dos mecanismos de coping paliativo ou de controle secundário. Os resultados de pesquisa indicam, todavia, que estas previsões representam no máximo uma certa direcionalidade ou tendência (Deeg et al., 1996, Kruse & Wahl, 1999, Ruth & Coleman, 1996). Uma outra questão irresoluta diz respeito a quais estratégias de coping se correlacionam com melhores êxitos quanto à avaliação subjetiva do bem-estar e do estado de saúde. A primazia funcional das estratégias de coping instrumental sugere, a uma primeira vista, que as mesmas devem se preditoras de melhores desenlaces. Os dados empíricos são, entretanto, contraditórios.

No caso da esclerose múltipla, Lasar e Kotterba (1997) obtiveram resultados indicando que um lócus interno de controle, ou seja, uma percepção do ambiente como contingente à ação do indivíduo, se correlacionava com a tendência a utilizar estratégias de coping instrumental e com melhores êxitos relacionados à saúde mental. Vice-versa, a percepção do ambiente como não-contingente à ação do indivíduo (lócus externo de controle) se correlacionou uso de estratégias menos eficazes de coping e piores êxitos. Os resultados de uma pesquisa longitudinal conduzida por Pakenham (1999) indicam que os melhores preditores de ajustamento social após 12 meses são a menor severidade da incapacidade, bem como a maior aderência a estratégias instrumentais de coping e menor utilização de estratégias paliativas de coping.

Contudo, nem todos os resultados descritos na literatura se adequam tão bem ao modelo funcional das estratégias de coping instrumental. Outros dados de pesquisa mostram que níveis mais altos de ansiedade e stress (Jean et al., 1999), bem como de depressão (Mohr et al., 1997) se correlacionam positivamente com a escolha de estratégias de coping baseadas na emoção. Estas associações eram, entretanto, independentes do uso de outras estratégias de coping focadas no problema (Beatty et al., 1998) ou de características do funcionamento neuropsicológico dos pacientes (Jean et al., 1999). Beatty e cols. (1998) observaram, contudo, que o desempenho em um teste de solução de problemas na vida cotidiana se correlacionava com o número total de respostas no inventário de coping, bem como com o número de estratégias instrumentais.

O trabalho de Mohr e cols. (1997) forneceu um retrato mais nuançado. Os níveis de depressão se correlacionavam com a incapacidade física. Algumas estratégias de coping paliativo se correlacionavam positivamente com os níveis mais altos de depressão, enquanto a reatribuição cognitiva, uma outra estratégia de coping paliativo, bem como o coping instrumental se correlacionavam negativamente com a severidade da depressão. Mohr e cols (1997) observaram ainda um efeito de interação entre nível de déficit neurológico, depressão e coping, em que a adoção de estratégias instrumentais de solução de problemas e de reatribuição cognitiva passavam a ser mais fortemente correlacionadas com depressão à medida que crescia o grau de incapacitação funcional. Todos estes resultados indicam que o processo de enfrentamento ou adaptação à esclerose múltipla é bastante complexo e moderado por uma série de variáveis.

Uma contribuição importante para esclarecer as relações entre estilos de coping e êxito adaptativo na esclerose múltipla foi proporcionada por uma pesquisa relatada por Sullivan, Mikail & Weinshenker (1997). Estes autores conduziram entrevistas com portadores de esclerose múltipla que haviam recebido o diagnóstico formal da doença há 2 meses ou menos. Foi observado que os pacientes não deprimidos tendiam a utilizar mais técnicas de coping relacionadas ao foco no presente, evitação e negação do que os pacientes com depressão maior ou reações desadaptativas. Os resultados de Sullivan e cols.(1997) sugerem que, ao menos nas fases iniciais da doença, as estratégias de coping focalizadas na emoção podem ser altamente adaptativas. Logo após o diagnóstico ou nas fase iniciais de evolução da doença, correspondentes à forma clínica remitente-recorrente, o portador de esclerose múltipla precisa lidar mais com a incerteza e com a ameaça de perdas do que com as perdas propriamente ditas(Antonak & Livneh, 1995). Como as contingências fogem totalmente ao controle primário do indivíduo, esse é um momento em que o controle secundário é o mais adaptativo

Além do controle secundário, nas formas progressivas ou incapacitantes de esclerose múltipla o controle primário volta a ser importante (Antonak & Livneh, 1995). O controle primário pode ser exercido sob a forma de comportamentos de promoção da saúde e prevenção de incapacidade extra (Stuifbergen & Rogers, 1997), como por exemplo, aderência ao tratamento, modificação do estilo de vida (hábitos regulares, dieta, fisioterapia, exercício aeróbico, etc.) e modificações no ambiente físico (por exemplo ar condicionado) e social (aumento do envolvimento com outras pessoas, com a família, outros portadores, etc.). Os dados de pesquisa sugerem, portanto, que a relação entre as estratégias de coping empregadas o nível de adaptação psicossocial na esclerose múltipla são complexas e podem ser influenciadas pela fase de evolução da doença em que o indivíduo se encontra.

3. Intervenções Baseadas no Modelo de Stress e Coping

Algumas pesquisas têm se preocupado em adaptar o modelo de stress e coping para utilização clínica (de Ridders & Schreurs, 2001, Heim, 1995). Uma abordagem utilizada com portadores de esclerose múltipla é o treinamento em auto-manejo quanto à utilização de estratégias de coping (Foley et al., 1986, Mandel & Seller, 1986, Schwartz & Rogers, 1994). O modelo de coping flexível é um dos mais bem fundamentados teórica (Schwartz, 1999) e empiricamente (Schwartz, 1999, Schwartz & Sendor, 1999). Segundo o modelo de coping flexível, a eficácia do processo de coping é caracterizada mais pela flexibilidade do que pelo uso de estratégias ou estilos específicos. A flexibilidade de coping pressupõe a habilidade de reconhecer quando aquilo que se está fazendo não funciona e mudar para uma estratégia de tentativa-e-erro até encontrar uma solução mais eficaz. A flexibilidade de coping implica não apenas a existência de um repertório de estratégias de coping, mas sobretudo a percepção consciente deste repertório e a capacidade de mudança flexível de estratégias, verificando e comparando sua eficácia relativa.

A pressuposição subjacente é que o coping efetivo leva a um aumento do senso de controle, o que pode implicar em uma mudança do domínio que se está querendo controlar, de uma área que o indivíduo não consegue controlar para outra susceptível ao exercício de controle. No domínio cognitivo é possível observar na esclerose múltipla um comprometimento preferencial dos desempenhos relacionados à chamada inteligência fluída ou mecânica, tais como a velocidade de processamento de informação e a memória, com preservação do rendimento na área da inteligência cristalizada ou pragmática, como p. ex., a capacidade de insight e participação social(Baltes & Smith, 1995, Zakzanis, 2000). O perfil de funções comprometidas e preservadas na esclerose múltipla sugere, portanto, que as estratégias instrumentais devem ser utilizadas preferencialmente na reabilitação da participação social, enquanto as estratégias compensatórias ou paliativas devem ser mais eficazes no manejo daquelas áreas em que o rendimento está declinando e as possibilidades de modificação das contingências são mais escassas.

Nas intervenções que acoplam o modelo de stress e coping com os pressupostos do auto-manejo (kanfer et al., 1996), o indivíduo começa aprendendo a se auto-observar, ou seja a fazer a avaliação cognitiva quanto à natureza dos eventos e quanto aos recursos disponíveis e estratégias mais efetivas de enfrentamento. A seguir, o cliente se auto-instrui em uma estratégia de solução de problemas, aprendendo a reconhecer, empregar e avaliar as estratégias de coping mais eficazes conforme a natureza do problema. Finalmente, o terceiro passo do processo compreende a auto-avaliação seguida de auto-reforçamento ou auto-manejo, conforme os objetivos pessoais tenham sido atingidos ou não. Os programas de auto-manejo são implementados preferencialmente em grupo, de modo a permitir que os clientes compartilhem experiências, apóiem-se mutuamente e modelem os comportamentos uns dos outros.

Uma pesquisa conduzida por Schwartz (1999) comparou a eficácia do treinamento em flexibilização de coping comparativamente ao apoio social. O treinamento em flexibilização de coping baseou-se no modelo descrito acima e formulado por Schwartz e Rogers (1994). O apoio social foi implementado sob a forma do oferecimento de telefonemas mensais com duração média de 15 minutos, por 12 meses. As ligações telefônicas eram realizadas por portadores especialmente treinados em técnicas de escuta não-interventiva nos moldes da psicoterapia centrada no cliente. A análise dos resultados indicou que os portadores treinados quanto ao auto-manejo e flexibilização de coping obtiveram melhores êxitos em diversas áreas da qualidade de vida do que os portadores que receberam apoio social por telefone, os quais também apresentaram uma melhora significativa porém discreta (Schwartz, 1999). Em um estudo correlato foi relatado que os maiores ganhos quanto à avaliação subjetiva do estado de saúde e qualidade de vida foram obtidos, entretanto, por aqueles portadores que receberam treinamento e se engajaram no oferecimento de apoio social aos seus colegas.

Os conceitos e dados de pesquisa revisados indicam que as intervenções psicológicas podem ser bastante eficazes na melhoria da qualidade de vida de portadores de esclerose múltipla e que o modelo transacional de stress e coping pode oferecer um referencial teórico adequado. Os resultados sugerem que tanto a mudança das percepções dos clientes quanto, principalmente, o engajamento em um processo ativo de mudança das contingências para si ou para outrem podem contribuir para elevar os níveis de bem-estar subjetivo. O treinamento em flexibilização de coping pode auxiliar o portador de esclerose múltipla no processo de selecionar domínios do funcionamento em que pode investir para continuar se desenvolvendo, otimizar o desempenho nestes domínios e compensar ou manejar os declínios nos domínios onde isto é inevitável (Staudinger et al., 1995). As intervenções baseadas no modelo de stress e coping podem ajudar a estabelecer uma agenda positiva para o portador de esclerose múltipla.

Referências Bibliográficas

Antonak, R. F. & Livneh, H. (1995). Psychosocial adaptation to disability and its investigation among persons with multiple sclerosis. Social Science & Medicine, 44, 1099-1108.

Asendorpf, J. B. (1997). Temperament. In H. Keller, (Org.) Handbuch der Kleinkindforschung. (2a. ed., pp. 455-482). Bern: Huber.

Baltes, P. B. & Smith, J. (1995). Psicologia da sabedoria: origem e desenvolvimento. In A. L. Neri (Org.) Psicologia do envelhecimento (pp. 41-72). Campinas: Papirus.

Bandura, A. (1977). Self-efficacy: toward a unifying theory of behaviral change. Psychological Review, 84, 191-215.

Beatty, W. W. (1993). Cognitive and emotional disturbances in multiple sclerosis. Neurologic Clinics,11, 189-204.

Beatty, W. W., Harnes, K. A., Blanco, C. R., Williamson, S. J., Wilbanks, S. L. & Olson, K. A. (1998). Correlates of coping style in patients with multiple sclerosis. Multiple Sclerosis, 4, 440-443.

Brandstädter, J. (1989). Personal self-regulation of development: cross-sequential analysis of developmen-related control beliefs and emotions. Developmental Psychology, 25, 96-108.

Caspi, A. (1987). Personality in the life course. Journal of Personality and Social Psychology, 53, 1203-1213.

Dantzer, R. (1993). Coping with Stress. In S. C. Stanford & P. Salmon (Orgs.) Stress. From synapse to syndrome (pp. 167-189). London: Academic.

de Ridders & Schreurs (2001). Developing interventions for chronically ill patients: is coping a useful concept? Clinical Psychology Reviews, 21, 205-240.

Deeg, D. J. H., Kardaun, J. W. P. F. & Fozard, J. L. (1996). Health, behavior, and aging. In J. E. Birren & K. W. Schaie (Orgs.) Handbook of the psychology of aging (4a. ed., pp. 129-149). San Diego: Academic.

Diener, E. (2000). Subjective well-being: the science of happiness and a proposal for a national index. American Psychologist, 55, 34-43.

Fennel, E. (1997). Depressão. In K. Hawton, P. M. Salkovskis, J. Kirk & D. M. Clark (Orgs.) Terapia cognitivo-comportamental para problemas psiquiátricos. Um guia prático (pp. 241-332). São Paulo: Martins Fontes.

Foley, F. W., Bedell, J. R. LaRocca, N. G., Scheinberg, L. C. & Reznikoff, M. (1987). Efficacy of Stress-inoculation training in coping with multiple sclerosis. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 55, 919-922.

Folkman, S. (1997). Positive psychological states and coping with severe Stress. Social Science & Medicine, 45, 1207-1221.

Fowles, D. C. (1992). Schizophrenia: diathesis-Stress revisited. Annual Review of Psychology, 43, 303-336.

Goldstein, L. L. (1995). Stress e coping na vida adulta e na velhice. In A. L. Neri (Org.) Psicologia do envelhecimento (pp. 145-158). Campinas: Papirus.

Goodkin, D. S., Ebers, G. C., Johnson, K. P., Rodriguez, M., Sibley, W. A. & Wolinsky, J. S. (1999). The relationship of MS to physical trauma and psychological Stress: report tof the Therapeutics and Technology Assessment Subcommittee of the American Academy of Neurology. Neurology, 52, 1737-1745.

Heckhausen, J. & Schultz, R. (1995). Uma teoria do controle no curso de vida. In A. L. Neri (Org.) Psicologia do envelhecimento (pp. 159-194). Campinas: Papirus.

Heim, E. (1995). Coping-based intervention strategies. Patient Education and Counselling, 26, 145-151.

Holmes, T. H. & Rahe, R. K. (1967). The social readjustment rating scale. Journal of Psychosomatic Research, 4, 189-194.
Jean, V. M., Paul, R. H. & Beatty, W. W. (1999). Psychological and neuropsychological predictors of coping patterns by patients with multiple sclerosis. Journal of Clinical Psychology, 55, 21-26.

Kanfer, F. H., Reinecker, H. & Schmelzer, D. (1996). Selbstmanagement-Therapie. Ein Lehrbuch für die klinische Praxis (2a. ed.). Berlin: Springer.

Krohne, H. W. (1997). Stress, Emotionen und Bewältigung. In R. Schwarzer (Org.) Gesundheitspsychologie. Ein Lehrbuch (2a. ed., pp. 267-284). Göttingen: Hogrefe.

Kruse, A. & Wahl, H. W. (1999). Persönlichkeitsentwicklung im Alter. Zeitschrift f’ür Gerontologie und Geriatrie, 32, 279-293.

Lasar, M. & Kotterba, S. (1997). Coping styles and cognitive attitude in paitents with multiple sclerosis. Wiener Klinische Wochenschrift, 109, 954-959.

Lazarus, R. S. & Folkman, S. (1984). Stress, appraisal, and coping. New York: Springer.

Mandel, A. R. & Seller, S. M. (1986). Stress management in rehabilitation. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 67, 375-379.

McCrae, R. R. Costa Jr., P. T., Ostendorf, F., Angleitner, F., Hrebickova, M., Avia, M. D., Sanz, J., Sánchez-Bernardos, M. L., Kusdil, W. E., Woodfield, R., Saunders, P. R. & Smith, P. B. (2000). Nature over nurture: temperament, personality, and life span development. Journal of Personality and Social Psychology, 78, 173-186.

Mohr, D. C. & Dick, L. P. (1998). Multiple sclerosis. In P.M. Camic & S.J. Knight (Orgs.) Clinical handbook of health psychology: a practical guide to effective interventions (pp. 313-348). Seattle: Hogrefe & Huber.

Mohr, D. C., Goodkin, D. E., Bacchetti, P., Boudewyn, A. C., Huang, L., Marrietta, P., Chenk, W. & Dee, B. (2000). Psychological Stress and the subsequent appearance of new brain MRI lesions in MS. Neurology, 55, 55-61.

Mohr, D. C., Goodkin, D. E., Gatto, N. & van der Wende, J. (1997). Depression, coping and level of neurological impairment in multiple sclerosis. Multiple Sclerosis, 3, 254-258.

Pakenham, K. I. (1999). Adjustment to multiple sclerosis: applications of a Stress and coping model. Health Psychology, 18, 383-392.

Rahe, R. H. (1995). Stress and psychiatry. In H. I. Kaplan & B. J. Sadock (Orgs.) Comprehensive textbook of psychiatry (6a. ed., pp. 1545-1559). Baltimore: Williams & Wilkins.

Rothbaum, F., Weisz, J. R. & Snyder, S. S. (1982). Changing the world and changing the self: a two process model of perceived control. Journal of Personality and Social Psychology, 42, 5-37.

Rowling, J. K. (2000). Harry Potter e a câmara secreta. Rio de Janeiro: Rocco.

Ruth, J. E. & Coleman (1996). Personality and aging: coping and management of the self in later life. In J. E. Birren & K. W. Schaie (Orgs.) Handbook of the psychology of aging (4a. ed., pp. 308-322). San Diego: Academic.

Savoia, M. G. (2000). Escala de eventos vitais e de estratégias enfrentamento (coping) em situações de e stress. In C. Gorenstein, L. H. S. G. Andrade & A. W. Zuardi (Orgs.) Escalas de avaliação clínica em psiquiatria e psicofarmacologia (pp. 377-386). São Paulo: Lemos.

Schwartz, C. E. & Rogers, M. (1994). Designing a psychosocial intervention to teach coping flexibility. Rehabilitation Psychology, 39, 57-72.

Schwartz, C. E. & Sendor, R. M. (1999). Helping others helps oneself: response shift effects in peer support. Social Science & Medicine, 48, 1563-1577.

Schwartz, C. E. (1999). Teaching coping skills enhances quality of life more than peer support: results of a randomized trial with multiple sclerosis patients. Health Psychology, 18, 211-220.

Sprangers, M. A. G. & Schwartz, C. E. (1999). Integrating response shift into health-related quality of life research: a theoretical model. Social Science & Medicine, 48, 1507-1516.

Staudinger, U., Marsiske, M. & Baltes, P. (1995). Resiliência e níveis de capacidade de reserva na velhice: perspectiva da teoria de curso da vida. In A. L. Neri (Org.) Psicologia do envelhecimento (pp. 195-228). Campinas: Papirus.

Stuifbergen, A. & Rogers, S. (1997). Health promotion: an essential component of rehabilitation for persons with chronic disabling conditions. Advances in Nursing Sciences, 19. 1-20.

Sullivan, M. J. L., Mikail, S. & Weinshenker, B. (1997). Coping with a diagnosis of multiple sclerosis. Canadian Journal of Behavioural Science, 29, 249-257.

von Korff, M., Gruman, J., Schaeffer, J., Curry, S. J. & Wagner, E. D. (1997). Collaborative management of chronic illnesses. Annals of Internal Medicine, 127, 1097-1102.

Young, J. E., Beck, A. T. & Weinberger, A. (1999). Depressão. In D. H. Barlow (Org.) Manual clínico dos transtornos psicológicos (pp. 273-312). Porto Alegre: Artes Médicas.

Zakzanis, K. K. (2000). Distinct neurocognitive profiles in multiple sclerosis subtypes. Archives of Clinical Neuropsychology, 15, 115-136.